A Lepra Mora no Morro: O “refúgio” de leprosos em Anápolis, Goiás, Brasil (1930–1970)

  • Giovana Galvão Tavares
  • Josana de Castro Peixoto
  • Dulcinea Maria Barbosa Campos
  • Janes Socorro da Luz
  • Rogério Seabra Monteiro

Resumo

Guardada as devidas restrições de uma pesquisa em andamento, este artigo tem por objetivo apresentar a formação e consolidação do ‘refugio’ dos leprosos em Anápolis. Para a realização da pesquisa foram percorridos os seguintes passos: coleta e análise de relatos orais, imagens fotográficas e documentos de arquivos individuais e institucionais, públicos e privados. O leprosário instituído em Anápolis não fazia parte da rede de colônias existente no Brasil, ele, nos anos de 1930, foi construído pela Sociedade São Vicente de Paulo, por meio de doações públicas e privadas, posteriormente, anos de 1940, foi desativado com a criação da Colônia Santa Marta em Goiânia. Nos anos de 1950 o refúgio surgiu e passou a agregar os doentes fugitivos das colônias e, durante as décadas seguintes, os residentes sobreviveram de doações (alimentos, roupas, etc) feitas pela sociedade local que as entregavam no Morro para evitar que eles fossem para a cidade. Por esse motivo grupos em situação de miséria residentes em Anápolis se agregaram aos leprosos e constituíram um território doente e miserável, abandonado pelo poder público, ficando a mercê dos cuidados de grupos que muitas vezes eram responsáveis por conflitos existentes no local.Palavras chave: Território; Lepra; Refúgio; Lugar.

Biografia do Autor

Giovana Galvão Tavares
Doutora em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas. Docente no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.
Josana de Castro Peixoto
Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Goiás. Docente na Univeridade Estadual de Goiás e no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.
Dulcinea Maria Barbosa Campos
Doutora em Parasitologia pela Universidade de São Paulo. Docente no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.
Janes Socorro da Luz
Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia. Docente na Universidade Estadual de Goiás, Brasil.
Rogério Seabra Monteiro
Graduado em Geografia pelo Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.

Referências

Bernardes GD, Tavares GG 2012a. Espaços ilegais: um estudo da qualidade de vida dos moradores residentes nas áreas subnormais em Anápolis – GO. In: Bernardes GD, Morais RP. Políticas Públicas: meio ambiente e tecnologia. Vieira, Goiânia.
Bernardes GD, Tavares GG 2012b. Riscos Ambientais e Sociais – uma leitura da qualidade de vida dos residentes em áreas subnormais em Anápolis – Goiás (2008/2009). Fronteiras: Journal of social, technological and environmental Science, 1(1): 53-71 pp
Cataia M 2013. Território usado e federação: articulações possíveis. Educ. Soc., Campinas 34(125): 1135-1151., Dec. 2013 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302013000400007&lng=en&nrm=iso.
Carvalho HG 2015. James Fanstone: protestantismo, medicina como vocação e legado social na fronteira Goiás na primeira metade do século XX. (Dissertação de Mestrado) Centro Universitário de Anápolis: Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente, pp.113.
Costa DFAC 2007. Entre ideias e ações: lepra, medicina e políticas públicas de saúde no Brasil (1894-1934). Universidade Federal Fluminense, 410 pp.
Ferreira HJ 2011. Anápolis, sua vida, seu povo. (série história). Kelps, Goiânia.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1964. Anuário Estatístico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE, Rio de Janeiro.
Jornal O Annapolis 1942. Reação ao mal do Hansen. No. 389, Ano VII, 05 de Julho de 1942.
Jornal O Annapolis 1943. Vai ser inaugurado o leprosário de Goiânia. No. 389, Ano VIII, 21 de fevereiro de 1943.
Jornal O Annapolis 1941. Notas e Reparos os Doentes. Jornal Annapolis. No. 268, Ano VI, 27 de março de 1941.
Luz JS 2006. A (re) produção do espaço urbano de Anápolis – GO: a trajetória de uma cidade média entre duas metrópoles 1970-2000. Universidade Fluminense de Uberlândia (in press).
Maciel RMT 2014. De leprosários e preventórios a ‘hanseníase tem cura’: saldos de um passado que insiste em existir. Tese. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 211 pp.
Prefeitura Municipal de Anápolis 1978. Lei no. 691 de 19 de junho de 1978. Faz doação de área à Fundação de Assistência Social de Anápolis – FASA.
Republica dos Estados Unidos do Brasil 1932. Estado de Goyaz – Comarca de Annapolis. Registro de Imóveis. Doação de terreno da Prefeitura Municipal de Anápolis para a Sociedade São Vicente de Paulo, 11 de fevereiro de 1932.
República dos Estados Unidos do Brasil 1932. Estado de Goyaz – Comarca de Annapolis. Tabellionato Chrystalino – Cartório do 1º. Ofício. Compra de imóvel realizado pela Conferencia de S. Vicente de Paulo de Anápolis, 19 de janeiro de 1932.
Rodrigues A 1948. Os hanseanos de Anápolis agradecem a sua população os benéficos recebidos. Jornal O Annapolis. [s.n.] Ano XIV, 21 de março de 1948.
Santos M 2001a.. Território e sociedade: Entrevista com Milton Santos. Editora Fundação Perseu Abramo, São Paulo.
Santos M, Silveira ML 2001b. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Record, Rio de Janeiro.
Souza MAA 2004. Uso do território e saúde: refletindo sobre “municípios saudáveis”. In: Sperantio AMG (Org.) O processo de construção de rede de município potencialmente saudáveis. Ipês Editorial, São Paulo, p 57-77
Souza MJL 2000. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Castro IE, Gomes PCC, Corrêa RL (Org.) Geografia: conceitos e temas. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, p. 77-116.
Silva LF 2013. Eternos órfãos da saúde: medicina, política e construção da lepra em Goiás (1830 – 1962). Tese. Universidade Federal de Goiás, 220 pp.
Sociedade São Vicente de Paulo 1932. Estatuto da Associação de S. Vicente de Paulo da Conferência de Sant’ana de Annapolis. Cartório do Registro Geral de Imóveis Títulos e Documentos e Protestos, 05 de março de 1932.
Sociedade São Vicente de Paulo 1942b. Balancete do Leprosário São Vicente de Paulo. Jornal O Annapolis 31 de dezembro de 1942.
Sociedade São Vicente de Paulo 1942a. Balancete do Leprosário São Vicente de Paulo. JORNAL O ANNAPOLIS 10 de novembro 1942.
Tuan Y 2005. Paisagens do medo. Unesp, São Paulo.
Publicado
2015-07-31
Seção
Dossiê - História, Saúde e Meio Ambiente