Colonização, Saúde e Religião: A medicina pioneira e o poder simbólico da moral social na Colônia Agrícola Nacional de Goiás - CANG (1941-1959)

  • Sandro Dutra e Silva
  • Heliel Gomes de Carvalho
  • Carlos Hassel Mendes da Silva

Resumo

Esse artigo procura identificar a prática médica protestante e sua influência na constituição do espaço social na Colônia Agrícola Nacional de Goiás (CANG), criada pelo governo federal em 1941. No final da década de 1930 no Brasil, o governo federal instaurou uma política de colonização do interior do país no movimento conhecido como “Marcha para o Oeste”. Essa política visava favorecer a migração interna e a ocupação territorial de áreas de baixa densidade populacional no Brasil. As políticas médicas adotadas na CANG tiveram como elemento característico a predominância de médicos protestantes, cujo suporte inicial foi dado pelo médico missionário inglês James Fanstone, diretor do Hospital Evangélico Goiano em Anápolis. Assim, além do enfoque biográfico dos médicos pioneiros, esse trabalho tem por objetivo identificar a influência da “medicina pioneira”, não apenas na prática médica, mas também na constituição simbólica da CANG. Para tanto, a base documental privilegiará os relatórios, relatos memorialistas, entrevistas e outros registros documentais que permitam identificar as formas de combate às doenças tropicais no sertão goiano na primeira metade do século XX, e o papel do saber médico como capital social na construção do poder simbólico da CANG. Nossa intenção é apresentar a relação entre migração, colonização e as práticas médicas no Oeste do Brasil, tendo como elemento articulador a história da saúde e a medicina tropical.Palavras chave: Migração; Colonização; Poder Simbólico; Goiás; História da Saúde.

Biografia do Autor

Sandro Dutra e Silva
Doutor em História pela Universidade de Brasília. Docente na Universidade Estadual de Goiás e no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.
Heliel Gomes de Carvalho
Mestre em Ciências Ambientais pelo Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA. Professora no Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.
Carlos Hassel Mendes da Silva
Mestre em Ciências da Educação Superior pela Universidade de Havana, Cuba. Reitor do Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA, Brasil.

Referências

Abreu SEAA 2000. Faculdade de Filosofia “BERNARDO SAYÃO”: Fundação e História. Número 05/06 – Janeiro / Dezembro.
Bourdieu P 1998. O poder simbólico. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro.
Brasil 1987. Assembleia Nacional Constituinte. Ata da 145ª sessão da Assembleia Nacional Constituinte, 20 de Agosto de 1987. Ano I, nº 131, 21 de Agosto de 1987, Brasília (DF).
Campos FI 1996. Saúde Pública: a medicina e a política. Revista Patologia Tropical 25(2).
Cronon W 2003. Changes in the land: indians, colonists and the ecology of New England. Hill & Wang, New York.
Drummond JA 1997. Devastação e preservação ambiental no Rio de Janeiro. EDUFF, Niterói.
Fanstone J 1952. Missionary Adventure in Brazil: the Amazing Story of the Anapolis Hospital, with Reminiscences by Its Founder Dr. James Fanstone, O.B.E. Edited by His Sister Baird [B.B. Smith]. England. Errey’s Printer.
Ginzburg C 1989. Mitos. Emblemas. Sinais: morfologia e história. Companhia das Letras, São Paulo.
Gomes AMC 1982. O trabalhador brasileiro. In: Oliveira LL, Veloso MP, Gomes AMC. Estado Novo: ideologia e poder. Zahar Ed., Rio de Janeiro.
Holanda, Sergio Buarque de. Raizes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995
Keller T 2014. Como integrar fé e trabalho. Vida nova, São Paulo.
Kropf SP 2009. Doença de Chagas, doença do Brasil: ciência, saúde e nação, 1909-1962. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro.
Leal NA 2008. Memórias e depoimentos: Dr. Domingos Mendes da Silva. Gráfica e Editora América Ltda, Goiânia.
Martins ECR 2002. Relações Internacionais: cultura e poder. IBRI, Brasília.
Matos AS 2014. O protestantismo Brasileiro no Período Republicano. Instituto Presbiteriano MacKenzie. Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper. Disponível em http://www.mackenzie.br/7071.html. Acesso em: 20 jun. 2014.
Nash RF 1982. Wilderness and the American mind. Yale University Press, New Haven/London.
Pádua JA 2012. As bases teóricas da história ambiental. In: Franco JLA, Silva SD, Drummond JÁ, Tavares GG. História ambiental: fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza. Garamond, Rio de Janeiro.
Pessoa JM 1999. A igreja da denúncia e o silencia do fiel. Editora Alínea, Campinas.
Ricardo C 1959. Marcha para Oeste: a influência da bandeira na formação social e política do Brasil. José Olímpio, Rio de Janeiro.
Sayão L 1994. Meu pai Bernardo Sayão. Gráfica do Senado Federal, Brasília.
Silva LF 2013. Eternos Órfãos da Saúde: Medicina, Politica e Construção da lepra em Goiás (1830-1962). (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, UFG.
Silva SD 2002. No Oeste a terra e o céu: a construção simbólica da Colônia Agrícola Nacional de Goiás (Dissertação de Mestrado). Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, UFG.
Silva SD 2008. Os estigmatizados: distinções urbanas às margens do rio das Almas em Goiás (1941-1959). (Tese de doutorado). Departamento de História da Universidade de Brasília. Brasilia: Universidade de Brasília, UnB.
Silva SD 2012. No caminho, um jatobá: enfrentamento e devastação da natureza na conquista do “último oeste”. In: Franco JLA, Silva SD, Drummond JA, Tavares GG. História ambiental: fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza. Rio de Janeiro: Garamond.
Silva SD 2013. O desbravador do Oeste: categorias e referências simbólicas para a colonização de Goiás na Era Vargas. In: Marin JOB, Neves DP (Orgs.). Campesinato e Marcha para o Oeste. Santa Maria, RS: Editora da UFSM.
Stoll M 2011. Sagacious Bernard Palissy: Pinchot, Marsh, and the Connecticut Origins of American Conservation. Environmental History, 16(1): 4–37.
Stoll M 2015. Inherit the holy mountain. Religion and the rise of American environmentalism. Oxford University Press, New York.
Técio J 1997. Os escolhidos: a saga dos evangélicos na construção de Brasília. Coronário Editora Gráfica Ltda, Brasília.
Thompson EP 1981. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Zahar Editores, Rio de Janeiro.
Vieira TR 2007. Uma clareira no sertão?: saúde, nação e região na construção de Brasília (1956-1960). Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz. Fiocruz, Rio de Janeiro.
Weber M 1999. A ética protestante o espírito do capitalismo. Pioneira, São Paulo.
Weber M 2003. A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais. In: Cohn G (org.). Weber. Sociologia – grandes cientistas sociais. Coleção coordenada por Florestan Fernandes. Editora Ática, São Paulo.
Worster D 1991. Para fazer história ambiental. Estudos Históricos, 4(8): 198-215.
Publicado
2015-07-31
Seção
Dossiê - História, Saúde e Meio Ambiente