Doenças inflamatórias intestinais no Brasil: perfil das internações, entre os anos de 2009 a 2019

  • RENATA CRISTINA VIEIRA DE BRITO UniRV - Campus Goianésia
  • Camila Luíza Peres UniRV
  • Keiscielly Assunção Faria Silveira UniRV
  • Evilanna Lima Arruda UniRV
  • Mozart Pereira de Almeida Júnior UniRV
Palavras-chave: Doença de Crohn. Proctocolite. Epidemiologia. Brasil.

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico das internações hospitalares de pacientes acometidos por Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa, também denominadas Doenças Inflamatórias Intestinais, no Brasil,no período de janeiro de 2009 a novembro de 2019. Métodos: Estudo observacional descritivo com delineamento de tendência temporal. Os dados foram coletados da plataforma do Ministério da Saúde – Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS). Resultados: Verificou-se um total de 46.546 internações por Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa no Brasil, no período de janeiro de 2009 a dezembro de 2019, dos quais 7.141 correspondem à idade de 30-39 anos, representando a maior porcentagem relativa para as idades analisadas. Além disso, observou-se que há uma prevalência no sexo feminino, contabilizando 24.929 internações (53,55%). Com relação à Região, o maior número encontra-se na Região Sudeste com 21.100 internações e, dessas61,51% corresponde ao Estado de São Paulo. De todas as internações, 9.302 foram eletivas e 37.244 com caráter de urgência. Ademais, 1.169 resultaram em óbito e, desses, o somatório foi maior na região Sudeste (525 pacientes). Conclusão:As Doenças Inflamatórias Intestinais têm aumentado sua incidência no Brasil e não apresenta perfis muito diferentes dos encontrados em outros países. Ainda não existem muitas pesquisas sobre o perfil da doença no Brasil e, no mundo sua gênese não é bem compreendida. Por serem doenças crônicas e progressivas, são necessários mais estudos para explicar melhor o seu comportamento para que haja medidas eficazes de profilaxia e tratamento dos pacientes acometidos.

Referências

1. Elia PP, Fogaça HS, Barros RGGR, Zaltman C, Elia CSC. Análise descritiva dos perfis social, clínico, laboratorial e antropométrico de pacientes com doenças inflamatórias intestinais, internados no Hospital UniversitáRio Clementino Fraga Filho, Rio de Janeiro. Arq Gastroenterol. 2007;44(4):332–9.
2. Oliveira FM, Emerick AP do C, Soares EG. Aspectos epidemiológicos das doenças intestinais inflamatórias na macrorregião de saúde leste do estado de Minas Gerais. Cienc e Saude Coletiva. 2010;15(SUPPL. 1):1031–7.
3. Matos CH, Paulo AL, Carvalho SF de S, Imianovsky I, Imianowsky V, Barretta C, et al. Percepção Da Importância E Adesão Ao Tratamento Dietético De Pacientes Com Doença Inflamatória Intestinal. DEMETRA Aliment Nutr Saúde. 2016;11(2):459–72.
4. Martins KR, Ferreira AL. Doenças inflamatórias intestinais na Região Sudeste do Brasil: um estudo retrospectivo. J Chem Inf Model. 2019;53(9):1689–99.
5. Machado GD, Guerra Júnior AA. Gastos públicos no tratamento da Doença de Crohn: uma coorte de quinze anos no Brasil. World Agric [Internet]. 2017; Available from: https://repositories.lib.utexas.edu/handle/2152/39127%0Ahttps://cris.brighton.ac.uk/ws/portalfiles/portal/4755978/Julius+Ojebode%27s+Thesis.pdf%0Ausir.salford.ac.uk/29369/1/Angela_Darvill_thesis_esubmission.pdf%0Ahttps://dspace.lboro.ac.uk/dspace-jspui/ha
6. Torres JA do P, de Santana RM, Torres FA do P, Moura AR, Neto J da RT. Doenças inflamatórias intestinais no Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe: Manifestações extraintestinais. Rev Bras Coloproctol. 2011;31(2):115–9.
7. Guimarães LP de M, Yoshida EMP. Doença de Crohn e retocolite ulcerativa inespecífica: alexitimia e adaptação. Psicol teor prát. 2008;10(1):52–63.
8. Salviano FN, De Burgos MGPA, Santos EC. Socioeconomic and nutritional profile of patients with inflammatory bowel disease at a university hospital. Arq Gastroenterol. 2007;44(2):99–106.
9. Medeiros Filho, José Eymard Morais; Dutra R de M. Doença inflamatória intestinal: impacto do tratamento na qualidade de vida. 1395;16(141).
10. De Godoy GS, Cavasin ILS. Revisão dos métodos de diagnóstico por imagem na avaliação da doença de Crohn. J Chem Inf Model. 2019;53(9):1689–99.
11. Lima MM, Silva LR, Franca R de CP, Santana GO, Ribeiro IT. Perfil de pacientes pediátricos com doenças inflamatórias intestinais, atendidos em ambulatório de referência na cidade de salvador. Rev Ciências Médicas e Biológicas. 2013;12(3):337.
12. Pontes RMA, Miszputen SJ, Ferreira-Filho OF, Miranda C, Ferraz MB. Qualidade de vida em pacientes portadores de doença inflamatória intestinal: Tradução para o português e validação do questionário “Inflammatory Bowel Disease Questionnaire” (IBDQ). Arq Gastroenterol. 2004;41(2):137–43.
13. Habr-gama A, Cerski CTS, Moreira JPT, Caserta NMG, Júnior Oliveira O, Araújo SEAA. Doença de Crohn intestinal: manejo. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(1):10–3.
14. Rosa JR da, Silva Júnior JF, Rosa MI da. Epidemiological profile of patients with inflammatory bowel disease. Arq Catarin Med [Internet]. 2014;43(2):53–8. Available from: http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/1287.pdf
15. Magro DO, Santos A, Guadagnini D, Pinheiro LV, Martinez CAR, Saad MJA, et al. Relação da quantidade de mucinas, Saccharomyces cerevisiae e microbiota intestinal na doença de Crohn. J Chem Inf Model. 2019;53(9):1689–99.
16. Farrukh A, Mayberry JF. Inflammatory bowel disease in Hispanic communities: A concerted South American approach could identify the aetiology of Crohn’s disease and ulcerative colitis. Arq Gastroenterol. 2014;51(4):271–5.
17. Gasparini RG. Incidência e Prevalência de Doenças Inflamatórias Intestinais no Estado de São Paulo - Brasil. 2018;91. Available from: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152905
18. de Souza MM, Belasco AGS, de Aguilar-Nascimento JE. Perfil epidemiol{ó}gico dos pacientes portadores de doen{ç}a inflamat{ó}ria intestinal do estado de Mato Grosso TT - The epidemiological profile of patients with inflammatory Bowel disease in the State of Mato Grosso. Rev Bras Coloproctol [Internet]. 2008;28(3):324–8. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci%7B_%7Darttext%7B&%7Dpid=S0101-98802008000300009%7B&%7Dlang=pt%0Ahttp://www.scielo.br/pdf/rbc/v28n3/a09v28n3.pdf
19. Souza MHLP, Troncon LE de A, Rodrigues CM, Viana CFG, Onofre PHC, Monteiro RA, et al. Evolução da ocorrência (1980-1999) da doença de Crohn e da retocolite ulcerativa idiopática e análise das suas características clínicas em um hospital universitário do sudeste do Brasil. Arq Gastroenterol. 2002;39(2):98–105.
20. Maranhão DD de A, Vieira A, Campos T de. Características e diagnóstico diferencial das doenças inflamatórias intestinais. Jbm. 2015;103:9–15.
Publicado
2020-07-13