Perfil, qualidade de vida e perspectivas futuras de residentes do programa de residência em área profissional da saúde

  • Stefan Vilges de Oliveira
  • Samara Pereira da Silva Camargos
Palavras-chave: Residentes, Saúde, Perfil, Sitema Único de Saúde

Resumo

Objetivo: Avaliar o perfil dos residentes do Programa de Residência em Área Profissional da Saúde  da Universidade Federal de Uberlândia. Método: Trata-se de um estudo descritivo de uma amostragem não-probabilística formada por residentes matriculados no ano de 2019. Para o levantamento de dados foi utilizado um questionário estruturado online no Google contendo variáveis sobre o perfil sociodemográfico, acadêmico e ocupacional, qualidade de vida, saúde mental e perspectivas futuras. Resultados: Dos 59 residentes avaliados, observou-se a predominância do sexo feminino 78%, sem filhos 94,91%, brancos 67,70%, com renda familiar entre 2 e 3 salários mínimos 54%, naturais do estado de Minas Gerais 62,71%, que residiam com amigos e/ou parceiros 41,37%. Á formação profissional da maioria é dentista 22,03%, que concluiu a graduação no ano em que entrou no programa e a capacitação foi o principal motivo por optar pela residência 42,37%. Sobre a qualidade de vida e saúde mental, destaca-se que 48,27% dormem 6h/dia, consideram a sua rede de apoio e condições de trabalho como boa, 72,41% e 51,72% respectivamente. Além disso, 52,24% não fariam outra residência, 66,10% pretendem atuar na mesma área em que realizou a residência e 91,50% acreditam que a residência abrirá novas oportunidades. Conclusões: Os resultados deste estudo mostram-se importantes para o aprimoramento dos programas de residência e destacam a necessidade de pensar na qualidade de vida destes residentes, durante o processo de formação e de políticas públicas que busquem incentivar e planejar a inclusão destes profissionais a permanecerem colaborando no âmbito do Sistema Único de Saúde.

Referências

1- Brasil. Decreto Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem. Diário Oficial da União, 30 de junho de 2005. Brasília-DF.
2- Júnior FJL, Barreto RMA, Vasconcelos MIO. Posicionamento dos coordenadores da atenção básica sobre egressos da residência multiprofissional em saúde da família. R bras ci Saúde 2014; 18(4): 325-332.
3- Salvador AS, Medeiros CS, Cavalcanti PB, Carvalho RN. Construindo a Multiprofissionalidade: um olhar sobre a Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade. Rev. bras. ciênc. Saúde 2011; 15(3): 329-338.
4- Rosa S, Lopes RE. Residência multiprofissional em saúde e pós-graduação lato sensu no Brasil: apontamentos históricos. Trab. educ. saúde 2010; 7(3):479-498.
5- Ministério da Educação/Ministério da Saúde (Brasil). Portaria Interministerial MEC/MS nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde e a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da União 13 nov. 2009. Seção I.
6- Projeto pedagógico residência. COREMU, 2011. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.
7- Regimento interno. COREMU, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.
8- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006
9- Brasil CC, Oliveira PRS, Vasconcelos APSM. Perfil e trajetória profissional dos egressos de residência multiprofissional: trabalho e formação em saúde. Sanare 2017;16(1):60-66.
10- Dóro MP, Zampirom K, Okumura IM, Andrzejevski VMS, Lolatto GA, Antonechen AC et al. Inter Relação entre Qualidade de Vida, Resiliência e Síndrome de Burnout: estudo longitudinal com residentes multiprofissionais. Tempus actas de Saúde Col. 2018; 12(1): 83-100.
11- Nogueira-Martins LA. Atividade médica: fatores de risco para a saúde mental do médico. Rev Bras Clín Ter.1991; 20(9):355-64.
12- Goulart CT, Silva RM, Bolzan MO, Guido LA. Perfil sociodemográfico e acadêmico dos residentes multiprofissionais de uma universidade pública. Revista de rede de enfermagem do nordeste. 2012; 13(1):178-186.
13- Sousa CS, Sousa RCS, Saito KAM, Dos Santos AE, De Oliveira MS. Perfil do ingressante na residência multiprofissional e em área de saúde de um hospital privado brasileiro. Rev. iberoam. educ. investi. Enferm. 2016; 6(4):26-32.
14- Carbogim FC, Santos KB, Alves MS, Silva GA. Residência em enfermagem: a experiência de Juiz de Fora do ponto de vista dos residentes. Rev APS. 2010; 13(2), 245-249.
15- Brasil CC, Oliveira PRS, Vasconcelos APS. Perfil e trajetória profissional dos egressos de residência multiprofissional: trabalho e formação em saúde. Sanare. Sobral. 2017;16(1), 60-66.
16- Hirshkowitz M, Whiton K, Albert SM, Alessi C, Bruni O, Doncarlos L, Hazen N, Herman J, Katz ES, Kheirandish-Gozal L, Neubauer DN, O’donnell AE, Ohayon M, Peever J, Rawding R, Sachdeva RC, Setters B, Vitiello MV, Ware JC, Adams Hillard PJ. National Sleep Foundation’s sleep time duration recommendations: methodology and results summary. Sleep Health. 2015; 1(1), 40-43
17- Handel DA, Raja A, Lindsell CJ. The use of sleep aids among Emergency Medicine residents: a web based survey. BMC Health Serv Res. 2016; 6(1):136
18- Lourenção LG, Moscardini AC, Soler ZASG. Saúde e qualidade de vida de médicos residentes. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(1): 81-91.
19- Blandin J, Araújo DM. Estrés laboral y mecanismos de afrontamiento: su relación en la aparición del Síndrome de Burnout en médicos residentes del Hospital Militar “Dr. Carlos Arvelo”. Arch Venez Psiquiatr Neurol. 2005; 51(104): 12-5.
20- Oliveira JB Ceretta LB, Birolo IVB, Simões PW, Sônego FGF. Influência da residência multiprofissional na vida profissional de egressos. Revista Inova Saúde. 2017; 6(1): 122-139.
21- Melo CNM, Chagas MIO, Feijão JRP, Dias MAS. Programa de residência multiprofissional em saúde da família de sobral: uma avaliação de egressos a partir da inserção no mercado de trabalho. SANARE. 2012;11(1):60-66.
22- Souza ECP, Araújo TCCF. Percepção sobre Formação em Residência na Área da Saúde: Necessidades, Expectativas e Desafios. Rev. SBPH. 2018; 21(1): 36-55.
23- Souza EM, Gianini RJ, Neto RSA, Neto JE. Perfil do médico residente atendido no grupo de assistência psicológica ao aluno (GRAPAL) da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo. Revista Associação Médica Brasileira. 2009; 55(6): 684-691.
Publicado
2020-07-13