A relação entre a neurodiversidade e o Transtorno do Espectro Autista

  • Ana Carolina de Holanda Machado
  • Deborah Gerrane Damásio Nascimento
  • José Antônio da Silva Neto
  • Mariana Ribeiro Rodrigues Alves
  • Vitória Daiany Guimarães Ramos
  • Júlia Maria Rodrigues de Oliveira

Resumo

RESUMO: O autismo é enquadrado em um espectro que varia de níveis brandos a mais graves, sendo definido como um transtorno de comportamento que afeta áreas de comunicação, socialização e interação, além da detenção de padrões, interesses e atividades restritivas e/ou repetitivas. O presente estudo teve por objetivo relacionar o paradigma da neurodiversidade com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), bem como identificar as características neurodivergentes presentes nas pessoas possuidoras desse espectro. O estudo trata-se de uma mini-revisão com pesquisa nas plataformas de busca PubMed e SciELO usando os seguintes descritores “Neurodiversity”, “Autism Spectrum Disorder” e “Developmental Disorders” resultando em 36 artigos, aplicando-se os critérios de inclusão e exclusão foram selecionados 5 artigos. A partir da análise dos artigos, observou-se que o processamento sensorial incomum presente na neurodiversidade dos autistas os enquadram em seis características comuns: maior apreciação ao detalhe; perspectiva sensorial aprimorada; desenvolvimento do conhecimento em domínios específicos; elevada facilidade de reconhecer padrões; habilidades visuais aumentadas; apreço maior por objetos inanimados. Destarte, ao se observar os portadores de TEA, é notório que dados comportamentos se conectam diretamente com toda a diversidade neuronal que os envolve, sendo ressaltadas as seis características principais que enquadram os autistas em tal processamento sensorial incomum. Ademais, o trabalho também possibilita uma leitura crítica e reflexiva da necessidade de maiores respostas de como essa diferenciação ocorre e os demais fatores inclusos.  
Publicado
2019-11-23