O estresse do cuidador de idosos dependentes

  • Jéssica Sena Melo
  • Habyla Thalya Alves Madureira Curado
  • Karinne Andressa Silva
  • Marinna Luiza Brandão
  • Milenna Larissa Brandão
  • Natália Diniz Simonini
  • Marcela de Andrade Silvestre

Resumo

RESUMO: A presente revisão sistemática de literatura teve como objetivo identificar os aspectos relativos ao estresse do cuidador de idosos dependentes, abordados em periódicos nacionais e internacionais, disponíveis de forma gratuita em meio eletrônico, nos últimos dez anos. Os textos foram selecionados na íntegra a partir dos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS): idoso, estresse no cuidador, cuidadores familiares, idoso dependente. Como resultado, foram encontradas três categorias principais, sendo elas o perfil do cuidador, os fatores de estresse e as implicações na vida do cuidador. Segundo análise, existem 2 tipos de cuidadores: formal, que presta um serviço remunerado e tem qualificação profissional e informal, que são voluntários, geralmente, com algum grau de parentesco e sem o devido treinamento para executar essa atividade. Esses indivíduos são predominantemente do sexo feminino, possuem baixo nível educacional, idade média entre 50 e 60 anos e são os próprios familiares do idoso. Os determinantes estressores se caracterizam pelos seguintes aspectos: idoso e cuidador morando no mesmo local, relacionamento muito próximo, como parentesco, ausência de estratégias para lidar com o estresse, dependência, tanto física quanto cognitiva, problemas financeiros, falta de rede de apoio ao cuidador, baixo grau de escolaridade e resistência do idoso aos cuidados. Ademais, as implicações à saúde do cuidador observadas foram psicológicas, como ansiedade, depressão, angústia, insônia, ressentimento e despersonalização; físicas, a exemplo de cansaço e dores; sociais, como isolamento, ausência de lazer e descuido com a aparência; laborais, a exemplo sobrecarga, desempenho ineficaz, menor apoio e insegurança em relação ao cuidado; econômicas, como renda prejudicada, proveniente de aposentadoria e pensão e aumento dos gastos com o idoso.  Conclui-se que os cuidados são assumidos por pessoas que sofrem impacto em sua rotina e saúde. Desse modo, há a necessidade de desenvolver um maior suporte a esse cuidador por meio de amparo físico e psicológico.  
Publicado
2019-11-23
Seção
RESUMOS - Envelhecimento e Epidemiologia das Doenças Crônicas Não Transmissiveis