Perfil de nomofobia entre acadêmicos de medicina de Anápolis, Goiás

  • Ana Laura Carvalho Almeida
  • Guilherme Nassif Corrêa
  • Luiza Cividanes Homsi
  • Mariana Lima Silva
  • Mariana Silveira Abadia
  • Denis Masashi Sugita

Resumo

RESUMO: A nomofobia, caracterizada como um desconforto ou ansiedade causados pela indisponibilidade de um dispositivo móvel que permite a comunicação virtual, tem ganhado cada vez mais destaque, chegando a ser proposta pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais como um novo distúrbio do século XXI. Nesse contexto, a internet hoje é uma grande modificadora do estilo de vida da população, contribuindo para uma dependência semelhante a de jogos de azar. Assim, o objetivo dessa pesquisa é levantar o perfil de nomofobia em acadêmicos de Medicina, no intuito de identificar se os mesmos se enquadram no perfil de nomofobia e como ela se manifesta. Trata-se de um estudo de caráter descritivo e analítico, a ser desenvolvido com acadêmicos do 1° ao 8° período do curso de Medicina do Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA. Será aplicado um questionário desenvolvido com base nas pesquisas teóricas que embasaram este trabalho, a ser submetido para avaliação do Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) da Instituição. Os dados coletados serão analisados de acordo com a quantidade de estudantes que se enquadram nos critérios de nomofobia, rede social de maior uso, tempo de uso médio do smartphone por dia, distribuição da nomofobia entre as faixas etárias e principais sintomas. Serão utilizados, como objeto de pesquisa, voluntários que assinarão o Termo Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Espera-se encontrar alta taxa de incidência entre a amostra, sendo esta incidência maior em mulheres e estudantes mais jovens, além de outros aspectos de nomofobia.    
Publicado
2019-11-23
Seção
RESUMOS - Educação em Saúde