Processo de desumanização do acadêmico de medicina ao longo da graduação

  • Giovanna Garcia Manso
  • Isabela Perin Sarmento
  • Kálita Oliveira Lisboa
  • Rebecca Perin Sarmento
  • Vitória Rezende Megale Bernardes
  • Hígor Chagas Cardoso
Palavras-chave: Humanização, Medicina, Graduação

Resumo

A desumanização do sistema público de saúde brasileiro torna-se alvo dos holofotes da mídia e, consequentemente, da população, trazendo à tona vários questionamentos que podem ser sintetizados em um só “Será que o estudante de medicina perde a sua humanidade com o passar dos anos?”. Assim, o objetivo desta pesquisa está em identificar se de fato há a desumanização do acadêmico ao longo do curso de medicina. Trata-se de um estudo observacional analítico de natureza quantitativa, realizado no Curso de Medicina do Centro Universitário de Anápolis, UniEVANGÉLICA e seus campos de estágio. O público alvo da pesquisa são alunos do primeiro, quarto, oitavo e décimo segundo períodos. Será aplicado um questionário chamado PPOS (Patient-Practioner Orientation Scale), originalmente escrita na língua inglesa. Entretanto, para a aplicação aos alunos, a versão traduzida será utilizada. Este instrumento avalia a atitude do estudante em relação à centralização da prática da medicina no médico, na doença ou em seu paciente. A tradução da escala para o português é a EOMP (Escala de Orientação Médico-Paciente). A aplicação conjunta de um questionário sociodemográfico será responsável por quantificar dados como idade, religião, sexo, profissão, escolaridade, renda familiar, entre outros dados. Os aspectos éticos respeitam as orientações da resolução 466 de 2012 e 510 de 2016, ambas do Conselho Nacional de Saúde. Os participantes serão voluntários e assinarão o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. É esperado observar se ao decorrer da graduação o acadêmico de Medicina modifica o seu perfil humanístico.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Educação em Saúde