Epidemiologia e fatores de risco do câncer de mama masculino

  • Gabriela Arantes Araujo
  • Karoline Mariane Julião
  • Mariana Evaristo Leite
  • Rafael Jabbar
  • Rafaella Lorrayne Aquino Neto
  • Aline de Araújo Freitas
Palavras-chave: Câncer de mama, Masculino, Fisiopatologia, Fatores de risco

Resumo

Em relação ao câncer de mama, observa-se a raridade do diagnóstico em homens – com menos de 6 casos por 100.000 pessoas por ano. Embora represente menos de 1% de todos os cânceres de mama no mundo, nota-se que nos últimos anos a incidência no sexo masculino está aumentando. O objetivo do estudo foi descrever a epidemiologia e os fatores de risco do câncer de mama masculino. O estudo consiste em uma revisão integrativa realizada a partir de 20 artigos, do período de 2015 a 2019, obtidos das bases de dados do PubMed, Scielo e Google Acadêmico utilizando como descritores “male breast”, “cancer”, “epidemiology”, “risk factors”. Em relação a epidemiologia os estudos mostraram que no período de 2009 a 2013 houve um total de 2639 internações por câncer de mama masculino, enquanto que o número de óbitos foi 749 de 2005 a 2015, sendo a região Sudeste a mais acometida. A faixa etária de maior incidência é de 60 anos ou mais. As pesquisas demostraram que o avançar da idade, presença de genes específicos, obesidade e síndrome metabólica associada, alterações do cariótipo como a síndrome de Klinefelter, distúrbios hormonais, danos hepáticos e fatores ambientais tais como a radioterapia, uso de maconha, doenças da tireoide e medicamentos predispõem o desenvolvimento da neoplasia. Observaram que esses fatores de risco quando associados aumentam a probabilidade da ocorrência de câncer de mama masculino. Entretanto, esses dados são negligenciados pelo paciente e pelo sistema de saúde. Essa realidade ocorre por ser uma doença rara e pelos fatores socioculturais. Dessa maneira, os diagnósticos são tardios e a probabilidade de cura é diminuída. Portanto, é preciso romper com o pensamento de invulnerabilidade masculina, uma vez que são indivíduos passíveis de adoecimento e carecem de um atendimento integral.

Referências

ABREU M.H., et al. Patterns of recurrence and treatment in male breast cancer: A clue to prognosis? International Journal of Cancer, v. 139, p. 1715–1720, 2016.

AGBROKO, S.O. et al. Male DCIS diagnosed after use of over-the-counter hormonal supplement. International Journal of Surgery Case Reports, v.57, p.60-62,2019.

ANGEL J., et al. Comportamiento clínico de cáncer de mama en hombres en una población latinoamericana. Revista Colombiana de Cancerología, v. 19, n. 3, p. 150155, 2015.

BONFIM, R. J. A. et al. Câncer de mama no homem: análise dos aspectos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos em serviço formal brasileiro. Revista Brasileira de Oncologia Clínica, v. 10, n. 37, p. 90-96, 2014.

BRASIL, Ministério da Saúde: Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Disponível em:
Acesso em: 21/03/2019.

CAMEJO N., et al. Características del cáncer de mama masculino en una población uruguaya. Anales de la Facultad de Medicina, v. 5, n. 1, p. 26-37, 2018.

CARDOSO, F. et al. Characterization of male breast cancer: results of the EORTC 10085/TBCRC/BIG/NABCG International Male Breast Cancer Program. Annals of Oncology, v. 29, n. 2, p: 405-417, 2018.

DANTAS, R. C. O. et al. Câncer de mama em homem: uma realidade brasileira. REBES - Revista Brasileira de Educação e Saúde, Pombal, v. 5, n. 3, p.29-34, jun. 2015.
DEB, S., et al. The cancer genetics and pathology of male breast câncer. Histopathology, v. 68, n. 1, p. 110–118, 2016.

EL BARDISI, H. et al. Sexual dysfunction in Klinefelter’s syndrome patients. First International Journal of Andrology, v. 49, p. 10111-12670, 2017.

FENTIMAN, I. S. The endocrinology of male breast cancer. Society for Endocrinology, v. 25, n. 6, p. 365- 373, jun. 2018.

FERZOCO, Raina M.; RUDDY, Kathryn J. The Epidemiology of Male Breast Cancer. Current Oncology Reports, [s.l.], v. 18, n. 1, p.1-6, 22 dez. 2015.

HUMPHRIES, M. P.; JORDAN, V. C.; SPEIRS V. Obesity and male breast cancer: provocative parallels? BMC Medicine, v. 13, p: 134-142, 2015.

KHATTAB, A; MONGA, D.K. Cancer, Male Breast Cancer. StatPearls Publishing, 2019.

MASELLI-SCHOUERI, Jean Henri et al. Time trend of breast cancer mortality in BRAZILIAN men: 10-year data analysis from 2005 to 2015. Bmc Cancer, [s.l.], v. 19, n. 1, p.23-29, 7 jan. 2019. Springer Nature.

O’FLANAGAN, C.H; BOWERS, L.W; HURSTING, S.D. A weighty problem: metabolic perturbations and the obesity-cancer link. Hormone molecular biology and clinical investigation, v.23, n.2, p.47-57, 2015.

SILVESTRI, V. et al. Male breast cancer in BRCA1 and BRCA2 mutation carriers: pathology data from the Consortium of Investigators of Modifiers of BRCA1/2. Breast Cancer Research, v. 18, n. 15, p: 1-13, 2016.

SOUZA, Itamara Barbosa et al. Sexualidade para o homem em tratamento oncológico. Revista Eletrônica Acervo Saúde, [s.l.], v. 11, n. 4, p. e275-e275, 9 jan. 2019.

SUN, H.F., et al. Clinicopathological characteristics and survival outcomes of male breast cancer according to race: A SEER population-based study. Oncotarget, v. 8, n. 41, p. 69680-69690, 2017.

SUN, W., et al. Nomogram predicting cause-specific mortality in nonmetastatic male breast cancer: a competing risk analysis. Journal of cancer, v. 10, n.3, p. 583–593, 2019.

YALASA, M; INAN, A; BOZER, M. Male Breast Cancer. J Breast Health, v. 12, n. 1, p: 1-8, 2016.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Educação em Saúde