Sarcoidose: um desafio diagnóstico

  • Gustavo Marques Paulino
  • Isabella Augusto Santos
  • Isadora Melo Viana
  • Júlia Oliveira Carvalho
  • Natália Sousa Costa
  • Vinícius Renon Segantine
Palavras-chave: Sarcoidose, Diagnóstico, Hanseníase

Resumo

Sarcoidose é uma doença granulomatosa multissistêmica, de etiologia desconhecida, que tem como característica histológica a formação de granuloma não caseoso no órgão acometido. O diagnóstico é frequentemente retardado por sua raridade e acometimento sistêmico, sendo os pulmões os mais afetados. Este estudo tem como objetivo relatar um quadro de sarcoidose cutânea, comparando revisões literárias baseada em dados bibliográficos e bibliotecas digitais à informações da paciente obtidas através de prontuários e registros fotográficos. Paciente do sexo feminino, 53 anos, que há 27 anos apresentou lesões eritemato-violáceas, localizadas nas regiões poplítea e inguinal, bordas bem definidas e papulosas, e centro atrófico, além de pápulas brilhosas confluentes, localizadas na região retroauricular bilateral e dorso dos pés. Nessa época realizou biópsia cutânea, resultando em hanseníase tuberculóide. Foi iniciado tratamento com melhora inicial, entretanto houve reincidência dos sintomas diversas vezes durante 22 anos. Em 2016 os sintomas se agravaram e em dezembro de 2018, a paciente procurou o serviço atual. Apresentava as mesmas lesões e um novo exame citopatológico com diagnóstico de hanseníase tuberculóide, porém a clínica não era sugestiva. Solicitou-se novo pedido de exame, cujo resultado indicou sarcoidose. Instituiu-se tratamento com prednisona 20 mg e encaminhamento ao pneumologista. Conclui-se através do estudo que a sarcoidose, além de rara, é uma simuladora de outras doenças, devido ao polimorfismo lesional, tornando-se um desafio diagnóstico. A hanseníase tuberculóide manifesta-se por lesões papulosas ou nodulares, únicas ou em pequena quantidade e com ausência de sensibilidade, diferenciando das lesões apresentadas pela paciente. Assim, o critério clínico e o exame histológico levaram ao presente diagnóstico.

Referências

AL-KOFAHI, K. et al. Management of extrapulmonary sarcoidosis: challenges and solutions. Therapeutics and clinical risk management, v. 12, p. 1623-1634, 2016.

BRANCO, S.C. et al. Sarcoidose. Revista SPDV, v. 74, p.1, 2016

BRIZ, M.I.G. et al. Las mil y una caras de la sarcoidosis. Piel, v. 32, n. 6, p. 323-329, 2017.

COSTA, F.; ARROBAS, A. Sarcoidose extratorácica. Revista Portuguesa de Pneumologia, v. 14, n. 1, p. 127-140, 2008.

DALDON, P.E.C.; ARRUDA, L.H.F. Noninfectious granulomas: sarcoidosis. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 82, n. 6, p. 559-571, 2007.

HOUSE, N.S.; WELSH, J.P.; ENGLISH III, J.C. Sarcoidosis-induced alopecia. Dermatology online journal, v. 18, n. 8, 2012.

MOLLER, D.R. et al. Genetic, immunologic, and environmental basis of sarcoidosis. Annals of the American Thoracic Society, v. 14, n. Supplement 6, p. S429-S436, 2017.

PRASSE, A. The diagnosis, differential diagnosis, and treatment of sarcoidosis. Deutsches Ärzteblatt International, v. 113, n. 33-34, p. 565-574, 2016.

RAO, D.A.; DELLARIPA, P.F. Extrapulmonary manifestations of sarcoidosis. Rheumatic Disease Clinics, v. 39, n. 2, p. 277-297, 2013.

RODRIGUES, M.M. et al. Delayed diagnosis of sarcoidosis is common in Brazil. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 39, n. 5, p. 539-546, 2013.

SAKETKOO, L.A.; BAUGHMAN, R.P. Biologic therapies in the treatment of sarcoidosis. Expert review of clinical immunology, v. 12, n. 8, p. 817-825, 2016.

SOUZA, P.R.M. et al. Lesões sobre cicatrizes, uma das manifestações da sarcoidose. J Bras Pneumol, v. 30, n. 6, p. 585-7, 2004.

YOUNG III, R.J. et al. Cutaneous sarcoidosis. International journal of dermatology, v. 40, n. 4, p. 249-253, 2001.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Envelhecimento e Epidemiologia das Doenças Crônicas Não Transmissiveis