O efeito da bomba de insulina nos portadores de Diabetes Mellitus tipo I

  • Ana Clara Hajjar
  • Ana Cláudia Maia Mendonça
  • Desirée Mata de Sousa
  • Flávia Cristina Teixeira Silva Boggian
  • Lara Gomes Nery
  • Pedro Henrique Pereira da Silva
  • Andreia Moreira Da Silva Santos
Palavras-chave: Diabetes Mellitus Tipo 1, Tratamento, Bomba Infusora de Insulina

Resumo

diabetes mellitus (DM) é um distúrbio metabólico caracterizado por hiperglicemia persistente, ocasionando diversas complicações a longo prazo. Estima-se que 415 milhões de pessoas sejam portadoras de DM, sendo o Brasil, em 2013 considerado o quarto país com maior número de pessoas diabéticas. De acordo com sua etiologia, pode ser classificada em DM tipo1, tipo 2 ou gestacional. O DM tipo 1 é uma condição em que a resposta autoimune do organismo destrói as células beta pancreáticas e há o comprometimento da produção de insulina. Há necessidade de reposição de insulina, que pode ser feita através da insulinoterapia com múltiplas aplicações diárias, ou com o uso de perfusão subcutânea contínua de insulina, a bomba infusora de insulina. O objetivo do estudo é identificar a eficácia do uso da bomba de insulina em pacientes portadores de DM tipo 1. Este é um estudo observacional, transversal e quantitativo baseado na análise de prontuários de pacientes atendidos no Ambulatório de Bombas da prefeitura de Goiânia, sendo que a amostra é composta por 198 pacientes portadores de DM tipo 1 e tem como critérios de inclusão ter aceito participar do estudo, ter assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), ser maior de 18 anos, e ser atendido no ambulatório em questão. Almeja-se ao final deste trabalho, verificar a eficácia do uso da bomba infusora de insulina nesses pacientes, a partir da análise de seus prontuários e de índices laboratoriais. Espera-se ainda, analisar a adesão e a desistência dos pacientes ao tratamento.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Envelhecimento e Epidemiologia das Doenças Crônicas Não Transmissiveis