Dietoterapia como alternativa clínica e seus efeitos

  • Áurea Gomes Pidde
  • Gustavo Urzêda Vitória
  • Marcos Paulo Silva Siqueira
  • Paulo Vitor Carvalho Dutra
  • Pedro Humberto Guimarães Alves
  • Denis Masashi Sugita
Palavras-chave: Dietoterapia, Dieta, Terapia nutricional, Diet theraphy

Resumo

As terapias dietéticas remodelam os padrões de consumo de alimentos e podem ser usadas como única alternativa para tratamento de determinadas doenças ou para potencializar o tratamento de outras. Objetiva-se compreender a dietoterapia como intervenção clínica para transtornos neurológicos, metabólicos, cardiovasculares e gastrointestinais. Realizou-se pesquisa bibliográfica através dos bancos de dados PUBMED, GOOGLE ACADÊMICO, Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME) e Scientific Electronic Library Online (SCIELO), com os descritores: dietoterapia, dieta, terapia nutricional e diet theraphy. Foram selecionados artigos científicos do período de 2014 a 2019 que contemplavam a temática dessa revisão integrativa de literatura. Dessa forma, observa-se que no tratamento de epilepsia, a dieta cetogênica é a alternativa clínica de maior repercussão, sendo composta, principalmente, por muita gordura e pouco carboidrato e proteínas. Nas doenças hepáticas não-alcoólicas, o melhor tratamento é a perda de peso por exercícios físicos associados à dieta, principalmente a Dieta Mediterrânea e chá verde, pela importante ação antioxidante. Essa dieta, assim como a Dietary Aproaches to Stop Hipertension (DASH) também é recomendada como estratégia segura para portadores de Síndrome Metabólica e outros distúrbios circulatórios, por intensa atividade anti-inflamatória. Ademais, a dietoterapia é o único de tratamento efetivo para doença celíaca, com restrição ao glúten. Conclui-se, portanto, que a dietoterapia pode ser utilizada, muitas vezes, como única e efetiva intervenção clínica em algumas doenças, considerando a influência de fatores externos que podem interferir na adesão.

Referências

BRESSAN, J., VIDIGAL, F.C. Dieta na abordagem terapêutica da síndrome metabólica. Revista da Associação Brasileira de Nutrição de São Paulo. v. 6, n. 1, p. 55-60, 2014.

CAMARGO, A.O. et al. Benefícios da dieta cetogênica no tratamento da epilepsia refratária: uma revisão de literatura. Revista Intellectus. v. 1, n. 45, p. 30-43, 2018.

CANELLA, D. et al. Consumo de hortaliças e sua relação com os alimentos ultraprocessados no Brasil. Revista de Saúde Pública. v. 52, n.50, p.1-11, 2018.

CHIAVAROLI, L. et al. DASH Dietary Pattern and Cardiometabolic Outcomes: An Umbrella Review of Systematic Reviews and Meta-Analyses. Nutrients. v.11, n.338, p.1-28, 2019.

CIELINSKI, J.J; KOTZE, L.M.S; UTIYMA S.R.R. Tratamento da doença celíaca: estado da arte. GED. Gastroenterol. Digestive Endoscopy. v. 35, n. 3, p. 114-121, 2016.

COSTA, M.C.R.A. et al. A influência benéfica da dietoterapia em portadoras de endometriose. International Journal of Nutrology. v. 11, n. 1, p. 324-327, 2018.

CRUZ, J.F. et al. Relação entre a esteatose hepática não alcoólica e as alterações dos componentes da síndrome metabólica e resistência à insulina. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. v. 14, n. 2, p. 79-83, 2016.

GREEN, N. et al. A Review of Dietary Therapy for IBD and a Vision for the Future. Nutrients. v. 11, n. 5, p. 1-13, 2019

ISLAS, D. et al. The effects of a low-carbohydrate diet on oxygen saturation in heart failure patients:a randomized controlled clinical trial. Nutrición Hospitalaria. v. 34, n. 4, p.792-798, 2017.

KIRPICH I.A.; MARSANO L.S.; MCCLAIN C.J. Gut-liver axis, nutrition, and non-alcoholic fatty liver disease. Clinical Biochemistry. v. 48, n. 13-14, p. 923-930, 2015.

KOSSOFF, E.H. et al. Optimal clinical management of children receiving dietary therapies for epilepsy: Updated recommendations of the International Ketogenic Diet Study Group. Epilepsia Open. v. 3, n. 2, p. 175-192, 2018.

MEIRA, I.D.A. et al. Ketogenic Diet and Epilepsy: What We Know So Far. Frontiers in Neuroscience. v. 13, n. 5, p. 1-8, 2019.

MELINI, V; MELINI, F. Gluten-Free Diet: Gaps and Needs for a Healthier Diet. Nutrients. v. 11, n. 170, p.1- 21, 2019.

MELLO, P.P; EIFER, D.A; MELLO, E.D. Use of fibers in childhood constipation treatment: systematic review with meta-analysis. The Journal of Pediatrics. v. 94, p. 460-470, 2018.

MENEGASSI, B. et al. A nova classificação de alimentos: teoria, prática e dificuldades. Ciência & Saúde Coletiva. v.23, n.12, p. 4165-4176, 2018.

OKOSHI, M. et al. Caquexia Cardíaca: Perspectivas para a Prevenção e Tratamento. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v.108, n.1, p.1-7, 2016.

PORTO, A.P. et al. O Papel dos Canais Iônicos nas Epilepsias e Considerações Sobre as Drogas Antiepiléticas - Uma breve revisão. Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology. v. 13, n. 4, p. 169- 175, 2007.

RESENDE, P.V.G. et al. Doenças relacionadas ao glúten. Revista Médica de Minas Gerais. v. 27, n. 3, p. S51-S58, 2017.

SAMPAIO, L.P.B. Ketogenic diet for epilepsy treatment. Arquivos de Neuro-psiquiatria. v. 74, n. 10, p. 842-848, 2016.

SCHUSTER, J., OLIVEIRA, A.M., BOSCO S.M.D. O papel da nutrição na prevenção e no tratamento de doenças cardiovasculares e metabólicas. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio Grande do Sul. v. 1, n. 28, p.1-6, 2015.

SUÁREZ M. et al. Mediterranean Diet and Multi-Ingredient-Based Interventions for the Management of Non-Alcoholic Fatty Liver Disease. Nutrients. v. 9, n. 1052, p.1-31, 2017.

ZHOU, J. et al. Preventive Efficiency of Green Tea and Its Components on Non-alcoholic Fatty Liver Disease. Journal of Agricultural and Food Chemistry. v. 67, n.19, p. 5306–5317 2019.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Medicina Preventiva