Avaliação do sistema cardiovascular: risco de exposição aos metais pesados

  • Mariana Cabral de Oliveira Cardoso
  • Lara Costa Curado Freitas
  • Gabriela Pereira Duarte
  • Ana Flávia Cândido Barbosa
  • Maria Luiza Silva Teixeira
  • Constanza Thaise Xavier Silva
Palavras-chave: metais pesados, longo prazo, doenças cardiovasculares

Resumo

A doença cardiovascular (DCV) é um conjunto de alterações patológicas no coração e vasos sanguíneos que possui diversos fatores de risco incluindo a exposição a metais pesados. Sua fisiopatologia esta relacionada ao estresse oxidativo causado pelos metais que gera espécies reativas de oxigênio, peroxidação lipídica e formação de complexo homo-cisteina. O estudo teve por objetivo descrever os efeitos dos metais pesados (arsênio, cadmio e chumbo) relacionados ao sistema cardiovascular. O presente estudo trata-se de uma mini revisão de literatura de sete artigos selecionados em levantamento bibliográfico prévio. A busca foi realizada nas bases de dados Literatura Latino Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SCIELO), Public Medlines (Pubmed). Utilizando-se os descritores ciências da saúde (DeCS): “heavy metals” and “long term” and “cardiovascular disease”, entre os anos de 2011 a 2019. Os principais efeitos que se constaram com o arsênio foram que as doenças que afetam o coração e sua exposição em um nível moderado para alto tem relação com aumento da mortalidade por doenças cardiovasculares; em relação ao cadmio, o resultado é a inflamação e os danos nas células endoteliais pelo estresse oxidativo e a possível relação com as doenças arteriais coronarianas; e, em relação ao chumbo correlaciona-se o aumento da pressão sistólica e os danos da função renal por espécies oxidativas, sendo sua exposição prolongada causa alteração no metabolismo lipídico sistêmico. Logo se conclui que o acúmulo de metais pesados aumenta as doenças do sistema cardiovascular, mostrando-se assim, como grupo de risco para essas doenças indivíduos que tem contato direto e frequente com esses metais, necessitando de intervenção para prevenção clinica dessas doenças.

Referências

ALISSA, E. M.; FERNS, G. A. Heavy Metal Poisoning and Cardiovascular Disease. Journal of Toxicology¸ v. 2011, p. 1-21, 2011.

ASGARY, S.; MOVAHEDIAN, A.; KESHVARI, M., et al. Serum levels of Lead, Mercury and Cadmium in Relation to Coronary Artery Disease in the Elderly: A Cross-Sectional Study. Chemosphere. v. 180, p. 540- 544, 2017.

CHEN, Y.; WU, F.; LIU, M., et al. A Prospective Study of Arsenic Exposure, Arsenic Methylation Capacity, and Risk of Cardiovascular Disease in Bangladesh. Environmental Health Perspectives, v. 121, n. 7, p. 832- 838, 2013.

CHOWDHURY, R.; RAMOND, A.; O’KEEFFE, L., et al. Environmental toxic metal contaminants and risk of cardiovascular disease: systematic review and meta-analysis. BMJ. v. 362, p.1-13, 2018.

REHMAN, K.; FATIMA, F.; WAHEED, I., et al. Prevalence of exposure of heavy metals and their impact on health consequences. J Cell Biochem, v. 119, n. 1, p. 157-184, 2018.

ZHU C, WANG B, XIAO L, et al. Mean platelet volume mediated the relationships betwueen heavy metals exposure and atherosclerotic cardiovascular disease risk: A community-based study. European Jounal Preventive Cardiology, p. 1-20, 2019.
Publicado
2019-07-03
Seção
RESUMOS - Medicina Preventiva