Os benefícios da videogame terapia no tratamento de Parkinson

  • Ana Júlia de Oliveira Gualberto
  • Giovanna Sales Nogueira Almeida
  • Millena Batistela Pereira
  • Rafaela Martins Ferreira
  • Ruberpaulo de Mendonça Ribeiro Filho
  • Léa Resende Moura
Palavras-chave: Videogames, Realidade virtual, Doença de Parkinson

Resumo

Os videogames fazem parte do cenário atual da medicina, devido ao potencial em contribuir com tratamentos que busquem melhora na cognição motora. O objetivo deste trabalho foi avaliar os resultados obtidos em diferentes estudos que utilizaram a terapia com uso de videogames no tratamento de pacientes com doença de Parkinson. Para isso, foram pesquisados artigos nos bancos de dados Scielo e PubMed, publicados entre os anos de 2015 e 2018, utilizando-se os seguintes descritores da Bireme: “Parkinson”, “videogame terapia”, “realidade virtual”. Nos estudos avaliados, os pacientes com a doença de Parkinson foram submetidos a sessões de gameterapia, com duração variando entre 20 e 40 minutos, as quais eram realizadas duas a três vezes por semana. Os resultados obtidos em todos os estudos demonstram que o uso de realidade virtual, imersiva ou não, obtém grande avanço motor, mesmo com um número pequeno de sessões. Conclui-se que a terapia com videogame em pacientes com Parkinson oferece significativa melhora na qualidade de vida dos pacientes e deve ser mais amplamente abordada, a fim de se obter avanços terapêuticos nessa enfermidade.

Referências

ALVES M., et al. Nintendo wii versus xbox kinect for assisting people with parkinson’s diseases. Perceptual and Motor Skills. Brasília, v. 125, n. 3, p. 546-565, 2018.

MARTINELLI J., et al. Sugestões de tratamento na doença de Parkinson: Intervenções psicomotoras com videogame. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Jundiaí, v. 21, n 7, p. 60-64, 2018.

RAMOS M., et al. A influência da realidade virtual no equilíbrio e na qualidade de vida dos portadores de doença de Parkinson. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. Três Corações, v. 16, n 1, p.1-8, 2018.

SANTANA C., et al. Efeitos do tratamento com realidade virtual não imersiva na qualidade de vida de indivíduos com Parkinson. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Recife, v. 18, n. 1, p. 49-58, 2015.

SEVERIANO M., et al. Effect of virtual reality in Parkinson disease: a prospective observational study. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. São Paulo, v. 76, n .2, p. 78-84.
Publicado
2019-07-03