Leiomioma associado a infertilidade: um relato de caso

  • Ana Claudia Elias Nascimento
  • Arthur Sebba Rady Alberici
  • Guilherme Luciano Rocha de Oliveira Gomes
  • Luiz Gabriel Pereira de Souza
  • Pedro Wilson Carvalho de Vlieger
  • Aline de Araújo Freitas
Palavras-chave: Leiomioma, Infertilidade, Saúde da mulher

Resumo

O leiomioma é a neoplasia benigna mais comum na mulher, representando 95% dos tumores do trato genital feminino. São tumores hormônio-dependentes, que acometem entre 20 a 40% das mulheres em idade reprodutiva, e são responsáveis por 2 a 3% dos casos de infertilidade, sendo o Leiomioma submucoso o mais vinculado a esse quadro. Este estudo teve por objetivo relatar um caso clínico de uma paciente de uma paciente com leiomioma uterino associado à infertilidade. Paciente do sexo feminino, 35 anos, procurou atendimento médico com queixas de irregularidade menstrual, com duração do ciclo de 10 a 15 dias, e fluxo aumentado com menorragia, alegando desejo e dificuldade para engravidar. Apresentava desconforto abdominal e distensão abdominal. Foi solicitado um exame de Ultrassonografia (USG) e, após análise detalhada dos resultados, foi diagnosticado aumento de volume uterino e presença de vários nódulos de mioma. Além disso, solicitou-se uma histerossalpingografia, para avaliar se os nódulos comprometiam o útero e as trompas. A conduta médica foi indicação cirúrgica e a cirurgia proposta foi uma histerectomia. Durante o ato cirúrgico, tentou-se fazer apenas a retirada dos miomas, evitando a retirada total do útero e anexos. Foram retirados vários miomas, o maior deles media 18,0 x 6,0 centímetros. Paciente recuperou-se bem no pós-operatório. Três meses após a cirurgia, foi realizada uma nova USG e constatou-se que não havia presença de novos nódulos de mioma. Após seis meses, a paciente conseguiu engravidar e na última consulta médica, encontrava-se com 15 semanas de gestação, sem intercorrências. O leiomioma, diagnosticado em fase avançada, já apresentando sintomas, o que poderia acarretar um pior prognóstico, tendo em vista também que são as neoplasias benignas que mais acometem a saúde da mulher e tem relação expressiva com a infertilidade.

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Leiomioma de Útero. Brasília, DF, 2017.

CAMARGO, L. A. et al. Mioma parido na perimenopausa. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 14, n. 4, p. 159-162, 2012.

CHEN, C. M.; NOVO, J. L. V. G.. Leiomioma uterino e atonia uterina pós-parto: relato de caso. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 20, n. 2, p. 113-115, 2018.

MACHADO, P. C. et al. Efeitos do leiomioma uterino na fertilidade e gestação. EURP, v. 2, n. 1, p. 31-5, 2010.

SILVA, A. M.; COSTA, A.. Leiomiomatose uterina e as suas implicações na gravidez. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa, v. 12, n. 1, p. 47-54, 2018.

SILVA, S. C. et al. Leiomioma parauretral: relato de caso/Paraurethral leiomyoma: case report. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, v. 62, n. 3, p. 160-162, 2018.

SIMON, S. M. et al. Leiomiomas uterinos e gravidez. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 27, n. 2, p. 80-5, 2005.
Publicado
2019-07-02
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente