Mortalidade materna: principais causas e fatores relacionados

  • Anna Luísa Barbosa Fernandes
  • Gil Guimarães Barbosa Trivelli
  • Júlia de Abreu Monteiro
  • Marina Ramos Ribeiro
  • Pedro Tomaz Esper
  • Renata Silva do Prado
Palavras-chave: Mortalidade materna, Hipertensão, Hemorragia, Infecção puerperal

Resumo

A mortalidade materna é aquela que ocorre durante a gestação ou dentro de 42 dias após seu término, devido a qualquer medida ou causa relacionada à gravidez. O presente estudo é uma revisão integrativa que buscou elencar as principais causas de mortalidade materna, relacionadas à causas obstétricas direta no Brasil, a partir de publicações científicas nas seguintes bases de dados : National Library of Medicine and National Institutes of Health (PUBMED), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Biblioteca Regional de Medicina (BIREME), entre os anos 2013 e 2019. O Brasil possui ainda um elevado índice de mortalidade materna solidificado por três principais causas - hipertensão, hemorragia e infecção pós-parto. Entre os tipos de hipertensão presentes na gravidez, a pré-eclâmpsia merece destaque e ocorre como forma isolada ou associada; a hipertensão arterial crônica, e a hipertensão gestacional. A mortalidade materna por hemorragias exige um discernimento maior sobre os tipos, os fatores de risco, as consequências e a sua proporção por todo o planeta, pois, isso varia conforme a região, a população, e as condições de saúde que o acomete. Ainda que se tenha tido uma pequena redução da mortalidade por infecção puerperal nas últimas décadas, ela ainda é responsável por um número significativo de mortes maternas. Associado a essas informações estão relacionadas também situações sociais e econômicas, como a qualidade e o acesso ao serviço de saúde, além de fatores étnico-raciais.

Referências

ASSUNÇÃO, A. M. D. S. Fatores de risco para infecção puerperal em parto cesáreo: uma revisão integrativa. UFRN, v.1, p. 26. 2018.

ASTURIZAGA, P.; JALDIN, L. T. Hemorragia obstétrica. Revista Médica de La Paz, v. 20, n. 2, p. 1-8.2014.

BAGGIERI, R. A. A. el. al. Hemorragia pós-parto: prevenção e tratamento. Arquivo Médico do Hospital da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa São Paulo, v. 56, n. 2, p. 95-101

BRITO, A. L. D. S. et al. Mortes por infecção puerperal no estado de Alagoas entre os anos de 2009 a 2014. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente, v. 4, n. 3, p. 9-22, 2016.

CEARÁ, G. D. E. D. Informe epidemiológico mortalidade materna. Secretaria de saúde, v.1, p. 1- 9. 2015.

CONSTANTÉN, S. B. et al. Calidad de las estadísticas de mortalidad materna en cuba. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 42, p. 1-8, 2018.

DIAS, J. M. G. et al. Mortalidade materna. Revista Médica de Minas Gerais, v. 25, p. 1-7, 2015.

GONZÁLEZ, J. A. S. et. al. Impacto de la hemorragia obstétrica mayor en la morbilidad materna extremadamente grave. Revista Cubana de Obstetricia y Ginecología, v. 42, n. 4, p. 464-473, 2016.

HIRSHBERG, A.; SRINIVAS, S. K. Epidemiology of maternal morbidity and mortality. seminars in perinatology, v. 41, p. 332-337, 2017.

KENDLE, A. M. et al. Delivery-associated sepsis: trends in prevalence and mortality. American Journal of Obstetrics & Gynecology, v. 16, n. 1, p. 220-391, 2019.

LANA, P. D. P. et al. Infecção puerperal sob o ponto de vista da assistência. Revista Científica Univiçosa, v. 9, n. 1, p. 723-727, 2017.

LIMA, D. R. et al. Análise dos fatores intervenientes da mortalidade materna. Enfermagem Obstétrica, v. 25, n. 3, p. 1-6, 2016.

LOPES, F. B. T. et al. Mortalidade materna por síndromes hipertensivas e hemorrágicas em uma maternidade-escola referência de Alagoas. Ciências Biológicas e de Saúde, v. 4, n. 2, p. 149-162, 2017.

MARTINS, H. E. L.; SOUZA, M. D. L. D.; ARZUAGA-SALAZAR, M. A. Mortalidade materna por hemorragia no estado de Santa Catarina, Brasil. Revista da Escola de Enfermermagem da USP, v. 47, n. 5, p. 25-30, 2015.

MASCARELLO, K. C.; MATIJASEVICH, A.; SANTOS, I. D. S. D. Complicações puerperais precoces e tardias. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 21 p. 1-13, 2018.

NOGUEIRA, I. M. C. D. N. et al. Estreptococos B como causa de infecções em mulheres grávidas: revisão de literatura. Revista UNINGÁ, v. 16, n. 3, p. 36-41, 2015.

PACAGNELLA, R. C.; NAKAMURA-PEREIRA, M.; GOMES-SPONHOLZ, F. Maternal Mortality in Brazil: Proposals and Strategies for its. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 40, p. 501-506, 2018.

RODRIGUES, N. C. P. et al. Temporal and spatial evolution of maternal and neonatal mortality rates in Brazil, 1997-2012. Jornal de Pediatria, v. 92, n. 6, p. 567-573, 2016.

SAINTRAIN, S. V. et al. Fatores associados à morte materna em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 28, p. 1-8, 2016.

SIAULYS, M. M. et al. Obstetric emergency simulation training course: experience of a private-public partnership in brazil. Reproductive Health, p.16-24, 2019.

da SILVA G. B. C.; CISMER E. D. P. Mortalidade materna por doença hipertensiva específica da gestação – DHEG, Maringá – PR, 2010- 2014. Revista UNINGÁ, v. 30, n. 2, p. 11-16, 2017.

SILVA, J. T. Educação permanente em saúde como estratégia para redução. UFG, p. 1-127. 2017.

VEJA, C. E. P.; SOARES, V. M. N.; NASR, A. M. L. F. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Caderno de Saúde Pública, v. 33, n. 3, p. 1-7, 2017.
Publicado
2019-07-02
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente