A parte obscura do dar à luz

  • Ana Vitória Costa Braga Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Camila Gomes Vieira Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • João Nascimento Mendonça Neto Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Lucas Lourenço Almeida Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Stéphanie Cândida Abdala Gomes Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
  • Constanza Thaise Xavier Silva Centro Universitário de Anápolis - UniEVANGÉLICA
Palavras-chave: violência, obstetrícia, vulnerabilidade em saúde

Resumo

A violência obstétrica (VO), embora seja um assunto ainda pouco discutido nas mídias, no meio científico e até dentro das instituições de saúde, tem crescido exponencialmente nos últimos anos e vem causando uma série de problemas nas parturientes. Com base nisso, as consequências e as marcas deixadas nessas mulheres vão além da violação física, perpassando a violência moral e emocional. Assim, este trabalho teve por objetivo identificar quais as principais causas e consequências que a violência obstétrica ocasiona nas mulheres. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. Para tanto, foram utilizados vinte e cinco (25), escolhidos nas bases de dados PubMed, Scielo e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACs). A partir dos métodos elencados, os principais atos de VO observados nos artigos são: o uso de técnicas e manobras agressivas no momento do parto, violência verbal, medicalização da mulher (em especial com uso indiscriminado de ocitócicos), desrespeito do direito ao acompanhante bem como a falta de informação dos direitos das mulheres no pré-parto, intraparto e no pós-parto. Como manobras agressivas mais utilizadas, a episiotomia e a manobra de Kristeller foram as mais destacadas, sendo citadas em 13 artigos analisados. Em virtude disso, concluiu-se que as vítimas não tinham ciência dos diversos tipos de VO que encontraram no parto, assim, grande parte delas deixaram de denunciar os diversos casos por falta de esclarecimento. Como efeito indireto, temos a desistência das mulheres de futuras gestações diante dos aspectos emocionais e psicológicos abalados. Mediante a relevância do tema e a quantidade absurda de casos, torna-se notória a necessidade de uma efetiva repercussão, que abranja não só estudos e debates qualificados, mas também a melhora clínica na realidade dessas mulheres enquanto puérperas.

Referências

ANDRADE B.P.; AGGIO C.M. Violência obstétrica: a dor que cala. In: Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas: Violência contra a mulher. Londrina, 2014. Acesso em: 08/03/2019.

CARDOSO, F.J.C. et al. Violência Obstétrica Institucional no parto: percepção de profissionais da saúde. Revista de Enfermagem Ufpe: REUOL. v. 11, n 9, p: 3346-53, 2017.

CUNHA, C.C.A. Violência obstétrica: uma análise sob o prisma dos direitos fundamentais. v.3, n.2, p: 42-65. Brasília, 2017.

CURI, P.L; BAPTISTA, J.G.B. A medicalização do corpo de mulher e a violência obstétrica. Estudo Contemporâneos da Subjetividade. v.1, n.8, p: 123-136, 2017.

DINIZ, S.G. et al. Violência Obstétrica como saúde pública no Brasil: Origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Journal of Human Growth and Development. v.25, n.3, p: 376-386, 2015.

ESTUMANO, V. K. C. et al. Violência Obstétrica no Brasil: casos cada vez mais frequentes. Revista Científica de Enfermagem: Recien. v. 7, n. 19, p: São Paulo, nov. 2017.

FUJITA J.A.L.M; SHIMO A.K.K. Violência na parturição: revisão integrativa. Revista Varia Scientia – Ciência Saúde. v.1, n.2, p. 57-68, 2015.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO. Violência no parto: na hora de fazer não gritou. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2013/03/25/violencia-no-parto-na-hora-de-fazer-nao-gritou. Acessado em: 08/03/2019.

GUIMARAES, L.B.E.; JONAS, E.; AMARAL, L.R.O.G. Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Rev Estud Fem. 2018.

LOPEZOSA, P.H.; MAESTRE, M.H.; BORREGO, M.A.R. Estimulação do parto com oxitocina: efeitos nos resultados obstétricos e neonatais. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2016.

LUZ, L.H.; GICO, V.V. Violência obstétrica: ativismo nas redes sociais. Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN, v.23, n. 3, p: 475-4, 2015.

MARIANI, A.C.; NASCIMENTO NETO, J.O. Violência obstétrica como violência de gênero e violência institucionalizada: breves considerações a partir dos Direitos Humanos e do Respeito às Mulheres. Cad. Esc. Dir. Rel. Int. (UNIBRASIL). v.2, n.25, p: 48-60, 2016.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Genebra: OMS, 2015. Disponível em: https://www.unasus.gov.br/noticia/declaracao-da-oms-sobre-taxas-de-cesareas. Acessado em: 08/03/2019

PALMA, C. C.; DONELLI T. M. S. Violência obstétrica em mulheres brasileiras. Psico, v. 48, n. 3, p: 216-230, 2017.

PEDROSA, A. A. B. P. et al. Situações de Violência Obstétrica Vivenciadas por Mulheres em Processos de Abortamento. Santa Maria, v. 43, n.3, p: 1-8, 2017.

PÉREZ, B.A.G. et al. Percepções de puérperas vítimas de violência institucional durante o trabalho de parto e parto. Revista Enfermagem Contemporânea, v.4, n.1, p: 66-77, 2015.

PHILIPP, R.R et al. Breve discussão sobre a violência obstétrica contra as mulheres: "Na hora de abrir as pernas ninguém reclama". Revista Nupem, Campo Mourão, v. 10, n. 21, p.110-123, 2018.

ROCHA, M. J., GRISI E. P. Violência Obstétrica e suas Influências na Vida de Mulheres que Vivenciaram essa Realidade. In on Line Ver. Mult. Psic., v. 11, n. 38, p: 623-635, 2017.

RODRIGUES, P. et al. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Escola Anna Nary Revista de Enfermagem, v. 19, n. 4, p: 614-620, 2015.
SANTA CATARINA. Lei Ordinária n 17.097, de 17 de janeiro de 2017. Disponível em: . Acesso em: 08/03/2019

SANTIAGO, D.C.; SOUZA, W.K.; NASCIMENTO, R.F. Violência obstétrica: uma análise das consequências. Revista Eletrônica da Faculdade Sete de Setembro. n.13, p: 148-64, 2017.

SILVA, T. S. et al. A extensão universitária e a prevenção da violência obstétrica. Rev. Ciênc. Ext. v.13, n.1, p: 176-189, 2017.

SOARES, B.P. et al. Violência Obstétrica e suas implicações. Revista RENOME. v.4, p. 93-94, 2016.

SPACOV, L.V. Violência Obstétrica: um olhar jurídico desta problemática no Brasil. Derecho y Cambio Social, Recife, v.1, n. 55, p:1-15, jan. 2019.

TESSER C. D et al, Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade, v. 10, n. 35, p: 1-12, 2015.
Publicado
2019-07-01
Seção
RESUMOS - Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente