Risco de desenvolvimento de transtornos depressivos após exposição ao césio-137 em Goiânia

Depressão em Indivíduos Expostos à Radiação

  • Paulo André Assumpção Aires Fonseca UniEvangélica
  • Arthur César Alves Ferreira
  • Heitor Rasmussen Ribeiro
  • Lucas Carvalho Silva
  • Karla de Oliveira Elesbão
  • Johnathan Pedroso da Rocha
  • Helen de Lima
Palavras-chave: Depressive Disorder;, Depression, Cesium, Radiation

Resumo

Resumo: Objetivo: Analisar a influência da exposição ao Césio-137 ocorrida em Goiânia, em 1987, no desenvolvimento do transtorno depressivo em indivíduos diretamente afetados. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, quantitativo, descritivo e transversal, que envolveu 23 pessoas expostas diretamente à radiação do Césio-137. Para obtenção dos dados foi aplicado o instrumento Depression Anxiety and Stress Scale-21 (DASS-21) e um questionário sociodemográfic. Resultados: Todos os 23 participantes da pesquisa apresentaram algum risco de transtorno depressivo, com 39,1% manifestando risco muito alto. Conclusão: Há relação entre a exposição dos grupos I e II ao Césio-137, e o risco de desenvolver transtornos depressivos. Relacionando esse risco com os dados dessa população estudada, pôde-se traçar um perfil sociodemográfico dos expostos permitindo maior amparo psicossocial, minimizando os impactos negativos do acidente.

Referências

Referências:

Associação Americana De Psiquiatria. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM – V). 5 ed. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Okuno E. Efeitos biológicos das radiações ionizantes: acidente radiológico de Goiânia. Revista Estudos Avançados, 2013; 27(77):185-200.

Helou S; Costa N. Césio-137: Césio-137: Consequências psicossociais do acidente de Goiânia. Goiânia: Editora da UFG; 2014.

Apóstolo JLA, Tanner BA, Arfken CL. Análise fatorial confirmatória da versão portuguesa da Depression Anxiety Stress Scale-21. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2012; 20(3):590-596.

Contis G, Foley TPJ. Depression, suicide ideation, and thyroid tumors among Ukrainian adolescents exposed as children to Chernobyl radiation. Journal of Clinical Medicine Research; 2015; 7(5): 332-338.

Silva MT, Galvão TF, Martins SS, Pereira MG. Prevalence of depression morbidity among brazilian adults: a systematic review and meta-analysis. Revista Brasileira de Psiquiatria; 2014;36(3):262-270.

Ferrari AJ, Charlson FJ, Norman RE, Patten SB, Freedman G, Murray CJ et al. Burden of depressive disordes by country, sex, age, ad year: findings from the global burden of disease studey 2010. PLoS Medicine; 2013;10(11).

Silveira EF. Fatores socioeconomicos e psicossociais relacionados à prevalência da depressão no brasil [Dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; 2016.

Pesquisa Nacional de Saúde (BR). Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: 2013. IBGE; 2014.

Cunha RV, Bastos GAN, Duca GFD. Prevalência de depressão e fatores associados em comunidade de baixa renda de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Epidemiologia; 2012; 15 (2): 346-354.
Publicado
2020-07-13