Perfil das internações por condições sensíveis à atenção primária relacionadas à cobertura da estratégia saúde da família em Anápolis-go, de 2001 a 2017

  • Jéssica Caixeta Silva Sampaio Unievangélica
  • André Guimarães Araujo Unievangélica
  • Felipe Zibetti Pereira Unievangélica
  • Helen de Lima Unievangélica
  • Rafael Souto Unievangélica
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Indicadores Básicos de Saúde

Resumo

Objetivo: o estudo visa descrever e analisar a relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF) e as Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (ICSAP) em Anápolis no período de 2001 a 2017. Métodos: Estudo ecológico, descritivo e analítico. Considerou-se ICSAP ocorridas em Anápolis, no período de 2001 a 2017, analisando as referidas variáveis e suas interrelações. Os dados foram extraídos do Sistema de Informação Hospitalar (SIH/SUS) e do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). Foram ainda analisados por medidas de tendência central. As internações foram definidas por meio da Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Resultados: A cobertura da ESF aumentou 5 vezes enquanto as ICSAP reduziram em 3 vezes em relação ao ano 2001. As etiologias mais prevalentes das ICSAP foram: Pneumonia, Gastroenterocolites, Asma, Insuficiência Cardíaca, Angina. O valor “r” atribuído à relação das afecções e as ESF foram negativos enquanto que apenas a pneumonia apresentou r=+0,37. A correlação entre ICSAP e ESF foi de -0,7, enquanto as Internações por Causas Não sensíveis à Atenção Primária (N-ICSAP) foi de +0,26. As gastroenterocolites representaram 76,26% das ICSAP. Angina e Insuficiência cardíaca predominaram em maiores de 60 anos. Asma representou 57,66% das internações em até 9 anos, enquanto a pneumonia mostrou-se prevalente em todas as faixas etárias. As mulheres internam cerca de 8 vezes mais que homens. Conclusões: O estudo concluiu que existe uma relação inversamente proporcional das ESF com as ICSAP no município de Anápolis.

Referências

1 Alfradique ME, Bonolo, PF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP – Brasil). Cad. Saúde Pública. 2009, 25(6): 1337-1349.

2 Brant LCC, Nascimento BR, Passos VMA, Duncan BB, Bensenõr IJM, Malta DC et al. Variações e diferenciais da mortalidade por doença cardiovascular no Brasil e em seus estados, em 1990 e 2015: estimativas do Estudo Carga Global de Doença. Rev. Bras. Epidemiol. 2017, 20(1): 116-128.

3 Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.436, de 21 DE Setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2017. Acesso em 10/10/2017. Disponível em: .

4 Costa JSD, Teixeira AMFB, Moraes M, Scheneider-Strauch E, Silveira DS, Carret MLV et al. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Pelotas: 1998 a 2012. Rev. Bras. Epidemiol. 2017, 20(2): 345-354.

5 Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública. 2007, 23(3): 565-574.

6 Mascarenhas MDM, Barros MBA. Caracterização das internações hospitalares
por causas externas no sistema público de saúde, Brasil, 201. Rev. Bras. Epidemiol. 2015, 18(4): 771-784.

7 Mendes PSA, Jr HCR, Mendes CMC. Temporal trends of overall mortality and hospital morbidity due to diarrheal disease in Brazilian children younger than 5 years from 2000 to 2010. J. Pediatr. 2013, 89(3): 315-325.

8 Mendonça CS, Leotti VB, Dias-da-Costa JS, Harzheim E. Hospitalizations for primary care sensitive conditions: association with socioeconomic status and quality of family health teams in Belo Horizonte, Brazil. Health Policy and Planning. 2017, 0(0): 1-7.

9 Nedel FB, Facchini LA, Martin M, Navarro A. Características da atenção básica associadas ao risco de internar por condições sensíveis à atenção primária: revisão sistemática da literatura. Epidemiol. Serv. Saúde. 2010, 19(1):61-75.

10 Pereira, FJR, Silva CC, Neto EAL. Perfil das Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária subsidiando ações de saúde nas regiões brasileiras. 2015, 40(107): 1008-1017.

11 Rehem TCMSB, Silva AO, Vasconcelos AMN, Ciosak SI, Santos WS, Egry EY. Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária: Percepção dos
Usuários e Profissionais de Saúde. Investigação Qualitativa em Saúde. 2016, 2: 1039-1048.

12 Rosano A, Loha CA, Falvo R, Zee JVD, Ricciardi W, Guasticchi G et al. The relationship between avoidable hospitalization and accessibility to primary care: a systematic review. European Journal of Public Health 2012. 23(3): 356–360.

13 Rubinstein A, López A, Corporale J, Valanzasca P, Irazola V, Rubinstein F. Avoidable Hospitalizations for Ambulatory Care Sensitive Conditions as an Indicator of Primary Health Care Effectiveness in Argentina. Journal of Ambulatory Care Management. 2014, 30(1): 69-81.
Publicado
2018-09-28