Avaliação dos indicadores epidemiológicos para a hanseníase no Brasil, 2008 a 2015 - Evaluation of epidemiological indicators for leprosy in Brazil, 2008 - 2015

  • Luís Pedro Ferreira de Assis
  • Andressa Meline Cozer
  • Vitória Castilho Amâncio
  • Annah Rachel Graciano
  • Divanita Cândida da Silva Dias

Resumo

ResumoObjetivo: relatar o coeficiente de prevalência e mortalidade específica da hanseníase no Brasil e em suas regiões e correlacionar as taxas de prevalência por sexo feminino e masculino. Métodos: estudo ecológico analítico com delineamento de tendência temporal. Foram usadas como fontes de dados o SIH, SIM e IBGE.  A população correspondeu ao total de novos casos notificados e que tiveram diagnóstico de hanseníase entre os anos de 2008 e 2015. Resultados: há uma redução nas taxas de prevalência no país, de casos notificados de hanseníase da população geral entre os anos de 2008 e 2015. Houve redução significativo no número de mortes por hanseníase. No grupo avaliado, a prevalência de hanseníase aumentou em algumas regiões brasileiras após alguns anos consecutivos de queda gradativa. Conclusões: vale enfatizar a importância de estudos sobre a prevalência de hanseníase em nosso meio, principalmente na região Centro-Oeste, onde a prevalência tem aumentado de forma significativa nos últimos anos, em destaque para o estado de Mato Grosso. É essencial o desenvolvimento de políticas públicas e criação de protocolos específicos no diagnóstico e tratamento dos pacientes, considerando seu histórico e as suas sequelas sociais, reforçando a importância da existência de uma conduta adequada no manejo desses pacientes.Palavras-chave:Hanseníase. Epidemiologia. Tendência. Vigilância. AbstractObjective: To verify the prevalence rate and specific mortality of leprosy in Brazil and its regions and correlate the prevalence rates for female and male. Methods: analytical ecological study with temporal trend of design. They were used as data sources SIH, SIM and IBGE. The population corresponded to the total number of new reported cases and who were diagnosed with leprosy between 2008 and 2015. Results: there is a reduction in prevalence rates in the country, reported cases of leprosy in the general population between the years 2008 and 2015. There was a significant reduction in the number of deaths from leprosy. In the evaluated group, the prevalence of leprosy has increased in some regions of Brazil after several consecutive years of gradual decline. Conclusions: It is worth emphasizing the importance of studies on the prevalence of leprosy in Brazil, mainly in the Midwest, where the prevalence has increased significantly in recent years, especially in the state of Mato Grosso. It is essential to the development of public policies and the creation of specific protocols for the diagnosis and treatment of patients, considering its history and its social consequences, reinforcing the importance of proper conduct in the management of these patients.Keyword:Leprosy. Epidemiology. Trends. Surveillance.

Referências

1. Ferreira IN. A presença da hanseníase no Brasil – alguns aspectos relevantes nessa trajetória. :19-40. 2014.

2. Souza CS. Hanseníase: Formas Clínicas E Diagnóstico. Rev Med Ribeirão Preto. 1997; 325-34.

3. Araújo MG. Leprosy in Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;36(3):373-82.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

5. Danda DMR. Aspectos epidemiológicos da hanseníase na cidade de. 2002;79(4):413-21.

6. Organização Mundial da Saúde (OMS). Atualização global da hanseníase, 2014: necessidade de detecção precoce de casos. Registro epidemiológico semanal, 90 (36). Genebra: OMS; 2015. p. 461-76.

7. Organização Mundial da Saúde (OMS): Registro epidemiológico semanal. 2008; 21 (83): 421-8.

8. Organização Mundial da Saúde. Estratégia Global para reduzir ainda mais o fardo da doença devido à hanseníase: período do plano: 2011 - 2015. Genebra; 2010.

9. Ignotti, E., De Paula, R. C., & Ministério da Saúde (BR) Secretaria de Vigilância em Saúde. (2010). Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil: análise de indicadores selecionados no período de 2001 a 2010.Saúde Brasil, 185-202.

10. Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria nº 2.556, de 28 de outubro de 2011. Estabelece mecanismo de repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, do Distrito Federal e Municipais, por meio do Piso Variável de Vigilância e Promoção da Saúde, para implantação, implementação e fortalecimento da Vigilância Epidemiológica de Hanseníase, Tracoma, Esquistossomose e Geo-helmintíases [portaria na internet]. Brasília; 2011.

11. Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde. Hanseníase: situação epidemiológica. Disponível em: http://portal. saude.gov.br/portal/saude/profissional/area. cfm?id_area=1466

12. Miranzi, S. D. S. C., Pereira, L. H. D. M., & Nunes, A. A. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop, 2010; 43(1), 62-7.

13. Rocha, M. C. N., de Lima, R. B., Stevens, A., Gutierrez, M. M. U., & Garcia, L. P. (2015). Óbitos registrados com causa básica hanseníase no Brasil: uso do relacionamento de bases de dados para melhoria da informação. Ciência & Saúde Coletiva, 20(4), 1017-1026.

14. Ramos AVA, Alencar CHM, Ramos Jr AN, Montenegro Jr RM, Heukelbach J. Perfil de mortalidade por hanseníase como causa de óbito no Brasil e regiões de 1999 a 2007. Hansen. Int. 2010;35(2(Suppl. 1)):111.

15. Organização Mundial da Saúde. O impulso final para a eliminação da hanseníase: Plano Estratégico 2000 - 2005. WHO / CDC / CPE / CEE / 2000.1. Genebra; 2000.
Publicado
2017-06-26