EFEITO DA SECAGEM E DO ARMAZENAMENTO DAS SEMENTES DE PINHÃO-MANSO (Jatropha curcas L.) NA QUALIDADE DO ÓLEO

  • Leonnardo Cruvinel Furquim
  • Carlos Frederico de Souza Castro
  • Osvaldo Resende
  • Jonas Manzan Cardoso Campos
  • Ana Lúcia Cabral
  • Cleidionaldo Silva Furquim Filho

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a influência da secagem e do armazenamento de sementes de pinhão-manso na qualidade do óleo produzido. O experimento de secagem foi realizado com 5 variações de temperatura: 30, 40, 50, 60 e 70 °C, até a umidade de 9,3 ± 1,1% de base seca. O experimento de armazenamento foi realizado variando-se a condição e armazenamento: Ambiente do Laboratório (26 ± 3 °C; 55 ± 12% UR), Câmara Refrigerada do tipo B.O.D. (5 ± 1 °C; 79 ± 5% UR) e Câmara Climatizada com aparelho de ar condicionado (18 ± 1 °C; 53 ± 7% UR); e o tempo de armazenamento: 2 e 4 meses. Os óleos foram avalizados em teor de óleo e os índices de acidez, peróxido e iodo. A secagem das sementes proporcionou elevação considerável no potencial de rancificação em temperaturas maiores ou iguais a 30 °C, revelando que secagens à temperaturas menores recomendável. Os armazenamentos das sementes nas câmaras climatizadas e refrigeradas apresentaram perdas na qualidade do óleo, com alto potencial de rancificação e de hidrólise dos óleos, respectivamente, revelando que o armazenamento em condições naturais é a mais indicada na manutenção da qualidade do óleo de pinhão-manso.
Publicado
2014-10-13