TRANSGÊNICOS: COMO ESTES SÃO CONHECIDOS PELOS ALUNOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS?

  • Jane Elen Almeida Fragoso Faveni
  • Renata Fernandes de Matos Universidade Estadual do Ceará

Resumo

Os transgênicos são organismos geneticamente modificados obtidos mediante a inserção de material genético oriundo de outro organismo, geralmente, de uma espécie diferente. Apesar da polêmica que gira em torno dos transgênicos, grandes benefícios podem ser observados com sua utilização. Com o objetivo de identificar o conhecimento que alunos de um curso de Ciências Biológicas apresentam sobre os produtos transgênicos, foi desenvolvida uma pesquisa do tipo quali-quantitativa em uma instituição de ensino superior pertencente a Universidade Estadual do Ceará, na qual foram entrevistados 90 alunos. A coleta de dados se deu por meio da aplicação de um questionário, sendo os dados categorizados, transformados em porcentagens e apresentados na forma de gráficos e tabelas. Pelos resultados obtidos ficou claro que o tema transgênicos precisa ser melhor trabalhado no âmbito acadêmico, sendo identificadas deficiências na aprendizagem dos alunos. Dessa forma, é necessário que estratégias de aprendizado sejam desenvolvidas, sendo de grande viabilidade a associação dos conhecimentos com o dia a dia dos alunos.

Biografia do Autor

Jane Elen Almeida Fragoso, Faveni
Técnica em Informática pela EEEP David Vieira da Silva(2011). Possui graduação em Biologia pela Universidade Estadual do Ceará (2020). Cursando especialização em Ensino de Biologia pela Faveni (2021).
Renata Fernandes de Matos, Universidade Estadual do Ceará
É professora do Curso de Ciências Biológicas da UECE/FECLI, atuando no setor de Genética e Evolução. Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri (2013). Mestre em Agronomia/Fitotecnia com ênfase em Genética e Melhoramento de Plantas, pela Universidade Federal do Ceará (2016). Doutora em Agronomia/Fitotecnia com ênfase em Genética e Melhoramento de Plantas, pela Universidade Federal do Ceará (2020). Participou do Grupo de Pesquisa e Extensão em Agroecologia (GPEA) e do Núcleo de Estudo em Fitotecnia e Melhoramento de Plantas (NEFIMP).
Publicado
2021-11-16