ESTABILIDADE E ADAPTABILIDADE DE CLONES DE CAJUEIRO PARA CARACTERÍSTICAS VEGETATITAS E PRODUTIVAS

  • Gilberto Ken Iti Yokomizo Embrapa Amapá
  • Kuang Hongyu Universidade Federal do Mato Grosso
  • Francisco das Chagas Vidal Neto Embrapa Agroindútria Tropical
  • Levi de Moura Barros Embrapa Agroindútria Tropical

Resumo

O cajueiro é uma frutífera com elevada importância econômica e social para a região do Nordeste brasileiro, pois, além de empregar grande contingente de pessoas, participa expressivamente na geração de divisas externas. Contudo no melhoramento genético da espécie a presença de interação genótipos versus ambientes faz necessário a avaliação de adaptabilidade e estabilidade, para a seleção. Portanto o objetivo deste trabalho foi avaliar por AMMI novos clones de cajueiro-anão precoce. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, 15 tratamentos, quatro repetições, quatro plantas por parcela. Foram avaliados: altura de planta (ALP), diâmetro de copa (DIC) e produtividade de castanhas por planta (PCP). Os resultados obtidos foram que G13 em ALP; G10 em DIC e; G3 para PCP, apresentaram os maiores valores médios; os clones mais estáveis foram G4 e G7 para ALP; G8, G11 e G15 para DIC e; G1 e G14 para PCP, comportamento distinto foi observado apenas em DIC no modelo AMMI2; na especificidade adaptativa em AMMI1 os melhores foram G10 e G11 para ALP; G13 em DIC e; G2, G7 e G10 para PCP; no modelo AMMI2 os clones G10 e G11 para ALP, foram adaptados ao sétimo ano agrícola; G5, G7 e G11 com o quarto ano e; com o quinto ano G2, G10 e G13 em PCP, não havendo nenhum para DIC e; os anos foram os principais constituintes da variação, responsáveis em gerar as diferenças da manifestação fenotípica dos clones.

Biografia do Autor

Kuang Hongyu, Universidade Federal do Mato Grosso
Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (2009), Mestrado em Ciências (área de concentração em Estatística e Experimentação Agronômica) pela Universidade de São Paulo - ESALQ/USP (2012) e doutorado em Ciências (área de concentração em Estatística e Experimentação Agronômica) pela Universidade de São Paulo - ESALQ/USP (2015). Fui Professor Assistente pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) em 2012 até 2013. Atualmente é Professor Adjunto concursado da Universidade Federal de Mato Grosso, vinculado ao departamento de Estatística. Tem experiência na área de Estatística Experimental, com ênfase em Análise Multivariada, atuando principalmente nos seguintes temas: Modelos AMMI, GGE biplot, Modelos AMMI-ponderado, GGE biplot-ponderado, Distribuição dos Autovalores, Simulação Multivariada, Biplot e Interação Genótipos x Ambientes. Participa do grupo de Pesquisa Modelos de efeitos principais aditivos e interação multiplicativa - AMMl com o líder Dr. Prof. Carlos Tadeu dos Santos Dias. Atualmente é Coordenador dos projetos de pesquisa Técnicas de Estatística Multivariada para dados de interação genótipo × ambiente e Análise Multivariada aplicada em Ciências Agrárias pela Universidade Federal de Mato Grosso/Pró-Reitoria de Pesquisa-UFMT.
Francisco das Chagas Vidal Neto, Embrapa Agroindútria Tropical
Engenheiro Agrônomo, com mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (1983) e doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2003). Atualmente é pesquisador A da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em fitomelhoramento, atuando principalmente nos seguintes temas: melhoramento genético vegetal, algodoeiro, mamoeiro, cajueiro, desenvolvimento de cultivares, sistema de produção.
Levi de Moura Barros, Embrapa Agroindútria Tropical
Bacharel em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará, em 1973, Mestre e Doutor em Genética e Melhoramento de Plantas, pela Universidade de São Paulo, respetivamente em 1978 e 1991, e pós doutorado em biotecnologia pela Universidade da Flórida (1997/1998). É pesquisador da Embrapa desde 1974, tendo iniciado as atividades na atual Embrapa Mandioca e Fruticultura, na Bahia. Transferiu-se para a Estação Experimental de Pacajus, hoje pertencente à Embrapa Agroindústria Tropical, ainda em 1974, iniciando os estudos com o cajueiro. Liderou a equipes de pesquisadores que desenvolveu os primeiros clones de cajueiro anão-precoce lançados comercialmente pela EPACE e Embrapa, responsáveis, hoje, por 35% da produção nacional de castanhas de caju. O reconhecimento do trabalho com o cajueiro resultou no Mérito da Fruticultura Nacional outorgado pela sociedade Brasileira de Fruticultura em 2000, o prêmio Frederico de Menezes Veiga concedido pela Embrapa, em 2001 e o Caju de Ouro, outorgado no Caju Nordeste em 2011. Foi professor permanente em cursos de pós-graduação da UFERSA-Mossoró E UFPB_Areia. Chefe de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa agroindústria Tropical e representante da Embrapa em um Programa de cooperação com Moçambique entre 2009 e 2011. Atualmente é o líder do programa de melhoramento genético do cajueiro da Embrapa Agroindústria Tropical.
Publicado
2019-05-28