AGRESSÕES DOMÉSTICAS: UM OLHAR NA ASSIMETRIA DE PODER E PRIVILÉGIOS NAS RELAÇÕES DE GÊNERO

  • Lorrane Fernanda Lacerda Centro Universitário de Anápolis – UNIEVANGELICA
  • Rubson Marques Rodrigues
  • Rubson Marques Rodrigues

Resumo

Resumo: Neste artigo discorre-se acerca da assimetria que marca as relações de poder entre os gêneros masculino e feminino e a sua repercussão na violência doméstica, em que a mulher figura como vítima. Descreve-se, em um primeiro momento, a luta das mulheres por seus direitos, em uma tentativa de superação da assimetria de poder que marca a relação entre os gêneros masculino e feminino, dada a prevalência dos interesses do primeiro. Em um segundo, não menos importante, mas resultado da referida assimetria, aprofundou-se conhecimento sobre a violência doméstica em que a mulher se apresenta como vítima.  Analisou-se os conceitos de violência, agressões domésticas e a cultura machista, com vistas a entender os nexos existentes entre eles, lembrando que é um problema antigo, que repercute com intensidade nos dias atuais. Discorreu sobre os valores da família, da importância do bom relacionamento entre homem e mulher e, consequentemente, pois o que importa, em última instância, é a valorização da dignidade da pessoa humana em geral, e da mulher, em particular. Palavras-Chaves: Agressão Doméstica; Assimetria de Poder; Cultura Machista; Violência. Abstract: In this article talks about the asymmetry that marks the power relations between the male and female genders and their repercussions on domestic violence, in which the woman as victim. Describes, in a first moment, the struggle of women for their rights, in an attempt to overcome the asymmetry of power that marks the relationship between the male and female genders, given the prevalence of interests first.In a second, no less important, but the result of this asymmetry, deepened knowledge about domestic violence in which the woman introduces herself as a victim. We analyzed the concepts of violence, domestic abuse and sexist culture, with a view to understanding the linkages which exist between them, remembering that it is an old problem, which affects with intensity today. Talked about family values, the importance of the relationship between man and woman and, consequently, are what matters, ultimately, is the enhancement of the dignity of the human person in General, and of women in particular.KeyWords: Domestic assault; Asymmetry of power; Macho Culture, Violence.

Referências

REFERÊNCIAS

ARRUDA, André. Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) e Legislação correlata. Rio de Janeiro: Roma Victor, 2009.

BIANCHINI, Alice. Lei Maria da Penha: Lei n. 11.340/2006: aspectos assistenciais, protetivos e criminais da violência de gênero. São Paulo: Saraiva, 2013.

BITENCOURT, Cesar Roberto. Tratado de direito penal: parte especial 2: Dos Crimes Contra a Pessoa. 14 ed. Ver., ampl. E atual. São Paulo: Saraiva, 2014.

BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil, 05 de Outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 28 Maio 2014.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do artigo 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 20 de maio de 2015.

CAPEZ, Fernando. Curso de direito penal: Parte especial. Vol.2. 9ª ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

CAVALCANTI, Stela Valéria Soares de Farias. Violência doméstica: análise da Lei “Maria da Penha”, nº11.340/06, Salvador: Podivm, op. cit., p. 29.2012.

CUNHA, Rogério Sanches e PINTO, Ronaldo Batista: Violência doméstica, São Paulo, Revista dos Tribunais, 2007.

DELMANTO, Celso. Código penal comentado: acompanhado de comentários, jurisprudências, súmulas em matéria penal e legislação complementar 8. ed. Ver. Atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2010.

DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha na justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. 3 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

GUEDES, Rebeca Nunes; SILVA, Ana Tereza Medeiros Cavalcanti da; COELHO, Edméia de Almeida Cardoso. Violência conjugal: problematizando a opressão das mulheres vitimizadas sob olhar de gênero. Revista Eletrônica de Enfermagem. v. 09, n. 02, p. 362 - 378, 2007. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n2/v9n2a06.htm. Acesso em: 01 Jun. 2015.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, de 06 de Junho de 1994. Disponível em:http://www.pge.sp.gov.br/centrodeestudos/bibliotecavirtual/instrumentos/belem.htm. Acesso em 29 Maio 2015.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Memória e história: as marcas da violência. In Fênix: Revista de História e Estudos Culturais. Porto Alegre: UFRGS, 2006. V. 3, a. III, n. 3, jul/st.

RODRIGUES, Rubson Marques. Derrota da vitória. Memo, s/d.

RODRIGUES, Rubson Marques. BRZEZINSKI, Iria. Contradições da Administração/gestão organizacional: ingenuidade teórica e perversidade lógica. Brasília: Líber, 2013.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 36 ed., ver. e atual. (até a emenda Constitucional nº 71, de 29.11.2012). São Paulo: Malheiros, 2013.
Publicado
2016-12-12