ANÁLISE COMPARATIVA DE TÉCNICAS SUSTENTÁVEIS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENTRE O BRASIL E PORTUGAL

  • Cláudia Ohana Borges Mendes Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA
  • Rhogério Correia de Souza Araújo Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA

Resumo

 A diminuição dos recursos naturais disponíveis exigiu a busca por soluções que garantissem a permanência da qualidade de vida para as futuras gerações. Portanto, pesquisadores desenvolveram materiais e técnicas de sustentabilidade que pudessem ser empregados na construção civil. Este artigo tem como objetivo a comparação entre os mecanismos destinados à construção sustentável utilizada no Brasil e em Portugal, visando à busca pelos dados disponíveis e como são aplicados nos países citados.  Os resultados da pesquisa originaram uma tabela comparativa demonstrando os dados e as conclusões obtidas com a análise dos temas propostos. Também, nos resultados, há uma análise da tabela e uma indicação de melhoria para os componentes indicados na tabela.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Resolução Normativa Nº 482, de 17 de Abril de 2012. Disponível em: . Acesso em 10 de Agosto de 2017.
ARQUTETURA NO BRASIL. Arquitetura Colonial. Disponível em: . Acesso em: 14 de Agosto de 2017.
Associação Portuguesa de Energias Renováveis. A produção de eletricidade em Portugal. Disponível em: . Acesso em 13 de Setembro de 2017.
AULICINO, P. Análise de métodos de avaliação de sustentabilidade do ambiente construído: o caso dos conjuntos habitacionais. Dissertação (Mestrado). Departamento de Engenharia de Construção Civil, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2008.

BAZZARELLA, B. B. Caracterização e aproveitamento de água cinza para uso não potável em edificações. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Tecnológico, 2005.
BELLEN, H. M. V. Indicadores de sustentabilidade – Um levantamento dos principais sistemas de avaliação. Cadernos EBAPE – FGV, v. 2, n. 1, Mar. 2004.
BRASIL. Ministério de Minas e Energia, Empresa de Pesquisa Energética. Plano Decenal de Expansão de Energia 2021. Brasília, 2012.
BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Plano Nacional de Eficiência Energética – Premissas e Diretrizes Básicas. Disponível em: Acesso em: 15 de Agosto de 2017.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília, Setembro de 2011.
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Aquecimento solar, uma economia de 30% na conta de luz. Disponível em: . Acesso em 19 de Agosto de 2017.
DINAMARCO, C. P. G. Selo casa azul certificação ambiental: Estudo de caso. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola Politécnica, Programa de Engenharia Ambiental. Rio de Janeiro, 2014.

ECOEFICIENTES. As 6 categorias ecoeficientes. Disponível em: < http://www.ecoeficientes.com.br/projetos-e-consultoria-de-arquitetura-sustentavel/>. Acesso em: 24 de Agosto de 2017.
FERNANDES, A. M. V. Método de avaliação de sustentabilidade das construções. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Portugal, 2013.
GONÇALVES, A. I. B. Avaliação da reutilização de água residual tratada para consumo humano por processos de separação por membranas. Dissertação (Mestrado). Universidade Nova de Lisboa, 2011.
GREENPEACE. O Sol Nasceu Para Todos. Disponível em: . Acesso em: 08 de Agosto de 2017.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. Rio de Janeiro, 2010.
JOHN, V. M; PRADO, R. T. A. Selo casa azul – Boas práticas para habitação mais sustentável. São Paulo: Páginas & Letras – Editora e Gráfica, 2010.
LIDERA. Sistema de avaliação de sustentabilidade. Disponível em: http:\\www.lidera.info/. Acesso em 29 de maio de 2017.
MOURA, G. R; JUNIOR, W. S. S. Transformações e tendências na história da engenharia civil. Encontro internacional de produção científica. Paraná, n. 8, 2013.
NASCIMENTO, L.F. Gestão ambiental e sustentabilidade. Departamento de Ciências da Administração. Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.
PORTAL SOLAR. Quanto custa a energia solar fotovoltaica. Disponível em: . Acesso em 09 de Setembro de 2017.
REUSE HIDRO RECICLAGEM. Reuso de água da chuva. Disponível em: http://reuseagua.com.br/reuso-aguas-da-chuva/>. Acesso em 13 de Setembro de 2017.
PORTUGAL. Decreto-Lei nº 153, de 08 de Março de 2014. Diário da República de Portugal, 1ª série, 20 Out. 2014.
PORTUGAL. Decreto-Lei nº 33-A, de 27 de Maio de 1998. Diário da República de Portugal, 1ª série, 16 Fev. 2005.
PORTUGAL. Decreto-Lei nº 46, de 12 de Março de 2008. Diário da República de Portugal, 1ª série, nº 51, 12 Mar. 2008.
PORTUGAL. Norma Portuguesa 4434 – Reutilização de águas residuais urbanas tratadas para rega. Lisboa, 2005.
PORTUGAL. PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Metas PNAEE. Disponível em: . Acesso em: 15 de Agosto de 2017.
PORTUGAL 2020. Acordo De Parceria 2014-2020. Disponível em: https://www.portugal2020.pt/Portal2020/. Acesso em: 14 de Agosto de 2017.
PRIZIBELA, S. C. C. Aplicação de princípios de sustentabilidade em empreendimentos de grande porte. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. 2011.
PROENÇA, E. D. R. B. A energia solar fotovoltaica em Portugal. Dissertação (Mestrado). Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa, 2007.
SILVA, M. M. A. Diretrizes para o projeto de alvenarias de vedação. Dissertação (Mestrado). Departamento de Engenharia de Construção Civil, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2003.
Publicado
2017-11-30